A apaixonante tragédia de “Mary Queen of Scots” (1971)

Aos olhos da posteridade, Mary Stuart sempre fora a soberana romântica e destemida que abdicara do trono para viver um amor condenado aos olhos de seus contemporâneos. Uma paixão tão avassaladora que lhe roubara tudo que tinha de mais precioso, inclusive o pequeno filho, a coroa e a própria vida. Sem dúvida, sua história deixa quase nada a desejar a uma clássica tragédia grega, a ponto de ter se tornado tema para obras dos mais diversos escritores, a exemplo de Stefan Zweig e Antonia Fraser, e também de renomados diretores, como o inglês Charles Jarrot, famoso por levar às telas do cinema outro grande drama histórico: Anne of The Thousand Days (1969). Em Mary Queen of Sctos (no Brasil: Mary Stuart, Rainha da Escócia), Jarrot não faz por menos e traz para o grande público um apaixonante conto de amor, intrigas e desilusões, interpretado por um elenco que em muito faz inveja a produções mais modernas, aliado a cenários e figurinos recriados com tanta excelência, que o telespectador é praticamente transportado para uma época onde a rivalidade entre duas rainhas se mostrará fatal para ambas.

Mary Stuart, Rainha da Escócia

Mary Stuart, Rainha da Escócia

Lançado em 1971, o filme traz na pele da protagonista a belíssima e talentosa Vanessa Redgrave, que também já transpareceu seu brilho no papel de outras soberanas, tais como Ana Bolena (A Men For All Seasons – 1966) e mais recentemente como Elizabeth I em Anonymous (2011). Redgrave foi exímia em demonstrar todo o drama psicológico que a Rainha da Escócia enfrentou desde o primeiro momento do longa-metragem, quando ela não passava de uma doce e inexperiente jovem, vivendo um conto de fadas com seu marido, o Rei da França. A candura destas cenas iniciais só é interrompida pela doença de Francisco II (vivido por Richard Denning), que padece de fortes dores de cabeça, causando assim alvoroço entre os membros da família real. Talvez uma das figuras mais fortes nessa fase “francesa” do filme seja a de Catarina de Médicis, uma mulher que detestava a sua nora e que não via o momento de expulsá-la da corte para assim governar. Apesar de aparecer pouco, Katherine Kath faz uma bela representação desta rainha viúva, amargurada e gananciosa pelo poder.

Sob esse aspecto, uma das coisas mais interessantes de se notar é que Kath deveria falar com um forte sotaque italiano, dada à nacionalidade de sua personagem, ao passo que Redgrave poderia ter se expressado no mesmo tom afrancesado da real Mary Stuart, a exemplo dos atores que interpretam seus tios, Raf De La Torre (Cardeal de Lorena) e Vernon Dobtcheff (Duque de Guise). Entretanto, as referidas atrizes conversam tranquilamente com sotaque inglês nas cenas em que atuam, contrariando assim as expectativas daqueles que, como eu, esperavam assistir a um filme com a rainha da Escócia conversando abertamente na língua de sua pátria de adoção. Mas, acredito, essa tenha sido uma pequena falha da produção, perfeitamente eclipsada pela delicadeza e perfeição dos figurinos: o vestido de viúva que Vanessa Redgrave usa no velório de Francisco II, a saber, constitui-se numa ótima recriação da obra executada por François Couet de Mary trajando luto branco. Poucos foram os filmes que conseguiram se sair impecáveis nesse quesito, e Mary Queen of Scots é um deles.

Da esquerda para a direita: Vernon Dobtcheff (Duque de Guise), Vanessa Redgrave (Mary Stuart) e Raf De La Torre (Cardeal de Lorena).

Da esquerda para a direita: Vernon Dobtcheff (Duque de Guise), Vanessa Redgrave (Mary Stuart) e Raf De La Torre (Cardeal de Lorena).

Após a morte do rei, nada mais restara para a jovem Marie em França, a não ser o esquecimento. Deveria então retornar para a Escócia navegando pelo canal da Mancha e para isso precisava da autorização de sua prima Elizabeth. A escolha da atriz para interpretar a “rainha virgem” não podia ser mais adequada: Glenda Jackson, que já vestira este mesmo papel na série da BBC “Elizabeth R”, transmitida pela primeira vez em Março de 1971 (mesmo ano de lançamento do presente longa-metragem). As falas e movimentos de Jackson já demonstravam tenramente à exímia política que um dia viria a ser. Ela não se porta como a tola apaixonada por seu Mestre de Cavalaria, Robert Dudley (Daniel Massey), mas sim como uma mulher calculista e capaz de sacrificar os desejos de seu coração pela segurança da Inglaterra. Porém, quando o assunto é Mary Stuart, ela se mostra em toda a sua raiva e faz de tudo para atrapalhar o retorno dela, mas sem sucesso.

Mary consegue aportar com segurança em seu reino, acompanhada de um prelado católico inglês, Padre Ballard (Tom Fleming) e de um agente papal, o cantor italiano David Rizzio (Ian Holm). Mas a recepção que recebe dos lordes da congregação, chefiada por seu meio-irmão James Stewart, Conde de Moray (Patrick MacGoohan), era nada digna de uma ex-rainha consorte da França ou muito menos de uma Soberana da Escócia. Na verdade, e o filme expõe muito bem esse fato, Moray estava associado com a Inglaterra para derrubar qualquer influência que sua irmã pudesse exercer em seus próprios domínios. Como era um filho bastardo de Jaime V, jamais herdaria o trono, mas poderia governar por trás da autoridade da rainha de direito. Entretanto, Mary Stuart não se mostraria tão flexível e percebeu que só um novo casamento conseguiria anular a influência de James. É nesse espaço que entra em cena ninguém menos que Henry Lorde Darnley, a arma secreta de Elizabeth.

Glenda Jackson como Elizabeth I, e Daniel Massey como Robert Dudley.

Glenda Jackson como Elizabeth I, e Daniel Massey como Robert Dudley.

A rainha inglesa, ardilosa como sempre, concebera um maquiavélico plano para fazer sua rival aceitar aquele rapaz em vez de Robert Dudley, o pretendente que enviara para Mary junto com a promessa da sucessão ao trono da Inglaterra após sua morte. Ela sabia que a prima nunca aceitaria o homem que fora acusado de ser seu amante, e em vez disso desposaria aquele patético e irresponsável jovem, propício a todo tipo de vício. Por traz de Lorde Darnley, está Timothy Dalton, que com bastante competência interpreta o segundo esposo da Rainha da Escócia. De acordo com Stefan Zweig, é provável que Darnley fosse bissexual e mantivesse um relacionamento com David Rizzio. Em Mary Queen of Scots esse aspecto é fielmente retratado, assim como as pretensões de Henry de governar a Escócia em detrimento de sua esposa. Não demoraria muito, e Mary começaria a se enojar de seu consorte, apesar de estar grávida do mesmo.

Todavia, tal como na história original, na verdade a rainha estava apaixonada por outra pessoa: James Hepburn, 4º conde de Bothwell. A paixão entre Mary e Bothwell é uma dessas que não despertam no primeiro encontro, mas quando explode é com tamanha força, capaz de afetar a todos que estejam envolvidos. Na pele daquele que viria a ser o terceiro e último marido da soberana, está Nigel Davenport. Sua atuação é uma das mais perfeitas de todo filme, e confere perfeitamente com o perfil de homem bruto e sedutor característico do verdadeiro conde. Só depois de descobrir que seu marido estivera ativamente envolvido na conspiração dos lordes para assassinar David Rizzio diante de seus olhos, é que Mary obtém a absoluta certeza de que não era a cama de Lorde Darnley que queria partilhar, mas sim a de Bothwell. Entretanto, ela deveria se livrar de seu segundo casamento de uma forma que não prejudicasse a legitimidade do filho do casal, e a solução mais adequada era apenas uma: o assassinato do rei consorte.

Cena do casamento de Mary Stuart (Vanessa Redgrave) com Henry Lorde Darnley (Timothy Dalton).

Cena do casamento de Mary Stuart (Vanessa Redgrave) com Henry Lorde Darnley (Timothy Dalton).

Enquanto isso, na corte inglesa Elizabeth recebe com bastante exasperação a notícia de que sua prima dera à luz um herdeiro varão, na medida em que ela “não passava de um trono estéril”. Mais uma vez é preciso tirar o chapéu para Glenda Jackson nessa cena. A forma como cai ao chão com as mãos no rosto vermelho de inveja é tão convincente, que dá pra sentir a frustração da verdadeira rainha quando recebeu tal notícia. Elizabeth nada poderia fazer a não ser esperar que Mary desse um passo em falso, provocando assim sua própria destruição. Esta, por sua vez, viria a partir de seu envolvimento na morte de Lorde Darnley. Até hoje persistem dúvidas acerca da cumplicidade de Mary Stuart na conspiração que assassinou seu segundo esposo, mas no filme vemo-na inteirada de todos os pormenores da trama de Bothwell para executá-lo, ao explodir a casa em que estava repousando, a fim de se curar da sífilis que havia contraído.

Com o rei morto pelo assentimento da rainha, o conde de Moray tinha então o argumento perfeito para escandalizá-la aos olhos do povo, devido ao fato de esta ter contraído terceiras núpcias com o provável assassino de Darnley. Era o que também Elizabeth precisava para provar que era uma monarca mais preparada que sua prima. Em Mary Queen of Scots, notamos a constância de alguns poucos erros de precisão histórica, assim como em outros tantos filmes desse gênero. Mas a expressividade deles é tão patética, que seria uma verdadeira lástima macular a análise de uma produção tão apaixonante como esta, ao citá-los. Apenas no final é que o enredo segue uma linha de pequenos equívocos, especialmente no que diz respeito à abdicação de Mary Stuart do trono da Escócia e sua fuga para a Inglaterra. Aqui, mais uma vez, o cinema exerce toda a sua magia ao promover um encontro do qual a História não dispõe de qualquer registro, o de duas rainhas rivais e ao mesmo tempo complacentes do peso que cada uma carrega em seus próprios ombros: Mary, a prisioneira, e Elizabeth, sua carcereira.

Nigel Davenport no papel de James Hepburn, 4° conde de Bothwell.

Nigel Davenport no papel de James Hepburn, 4° conde de Bothwell.

Os anos passam, e no rosto de nenhuma das duas soberanas mora a juventude que brilhara em seus corpos de outrora. William Cecil (Trevor Howard), ministro de Elizabeth conseguira provas da participação de Mary em um plano para assassinar a rainha da Inglaterra. Só que esta, por um acesso de misericórdia, teme ordenar a execução de uma rainha ungida por Deus e incorrer em mau julgamento aos olhos da posteridade. Novamente as rivais se encontram, e a partir dessa entrevista é que os papeis que ambas deveriam desempenhar daí para frente, se definem. Mary Stuart, apesar de ter a possibilidade de se salvar ao assinar um documento no qual pedia desculpas à prima, recusa tal caminho e decide morrer em nome da fé em que fora criada, como uma verdadeira mártir do catolicismo. Não tenho nem palavras para descrever aqui a vivacidade de Vanessa Redgrave (indicada ao Oscar de melhor atriz por esse filme) e Glenda Jackson nestas cenas finais. Ali estão duas rainhas, amaciadas pela idade, só que orgulhosas demais em suas resoluções para cederem aos caprichos uma da outra. Porém, na hora do acerto de contas, é Elizabeth quem pagará caro aos olhos do mundo por sua decisão de executar a prima, enquanto só na morte Mary consegue sua tão sonhada liberdade, mostrando de uma vez por todas que no fim era onde residia o seu começo.

Confira abaixo o trailer de Mary Queen of Scots (1971):

Renato Drummond Tapioca Neto

Graduando em História – UESC

Anúncios

8 comentários sobre “A apaixonante tragédia de “Mary Queen of Scots” (1971)

    • Muito obrigado, Maria Eduarda. No Brasil, foram publicados os ótimos livros de Stefan Zweig (Maria Stuart) e Jane Dunn (Elizabeth e Mary: primas, rivais, rainhas). Mas acredito que até hoje a maior e melhor biografia sobre a Mary Stuart seja a da historiadora Antonia Fraser (Mary, queen of Scots), que infelizmente ainda não foi lançada aqui. Abraço.

      Curtir

  1. Excelente blog, texto sucinto e preciso. Falta somente lembrar que a deixa histórica dos dois encontros das duas rainhas tem por base a peça teatral de mesmo nome.
    Parabéns!

    RICARDO HELOU

    Curtir

  2. estou completamente apaixonado pelo seu ser !!! amo a historia da Maria da Escocia, e nunca encontro ninguem para comentar sobre tal assunto.. e derivados. por um acaso me deparo com esse blog maravilhoso! posso te da um abraço ? parabéns

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s