D. Carlota Joaquina é capa da edição de Setembro da Revista de História da Biblioteca Nacional

Por: Renato Drummond Tapioca Neto

Carlota Joaquina Teresa Caetana de Bourbon e Bourbon segue como uma das rainhas mais controversas tanto da história de Portugal, quanto da história do Brasil. Esposa do rei D. João VI e mãe do imperador D. Pedro I, a imagem que a posteridade guarda de Carlota é a de uma mulher amargurada, lasciva e mestra na intriga, que acima de tudo desejava a coroa para si, a despeito de seu marido. Entretanto, contrariando essa perspectiva pra lá de reducionista, a edição nº 96 da Revista de História da Biblioteca Nacional, com organização de Carolina Ferreo, compilou um dossiê sobre este icônico personagem, ressaltando muitas de suas qualidades, tais como a generosidade, força e independência, que ela soube manter por toda a vida. Filha do rei Carlos IV da Espanha e de Maria Luiza de Parma, Carlota Joaquina recebeu uma excelente educação, que, por sua vez, qualificavam-na como uma regente em potencial, não fosse às conspirações em que se envolvera para assumir o trono. Não obstante, devido ao fato de ser adepta do regime absolutista, em um universo cada vez mais liberal, a crônica da época não poupou palavras ao descrevê-la como a mulher maquiavélica que conhecemos hoje.

Revista de História da Biblioteca Nacional n° 96

Capa da edição nº 96 da Revista de História da Biblioteca Nacional (imagem: Carlota Joaquina, infanta de Espanha, rainha de Portugal, por Mariano Salvador Maella, 1785).

Com uma matéria de 19 páginas, a revista traz em si contribuições elementares para o estudo acerca de D. Carlota Joaquina, lançando questionamentos indispensáveis para se repensar a participação desse personagem nos eventos que marcaram a península ibérica no início século XIX. Não obstante, os textos são assinados por pesquisadores como Francisca Lúcia Nogueira de Azevedo, que é autora do livro Carlota Joaquina na corte do Brasil, e Juliana Gesuelli Meirelles, autora de Imprensa e poder na corte Joanina: a gazeta do Rio de Janeiro. Já sobre o papel da esposa de D. João VI na revolta de D. Miguel e seus sonhos frustrados de governar, a edição ainda contem textos indispensáveis, como os de Flávio Ferreira e Flávio José Gomes Cabral. Interessante também são os pequenos boxes distribuídos ao longo das páginas, que apresentam de forma breve o perfil de outras rainhas que fizeram história, tais como Isabel I da Castela, Elizabeth I da Inglaterra e Catarina II da Rússia. Sabendo da importância deste incrível material, o portal Rainhas Trágicas traz para você, nosso leitor, os scans das 19 páginas do dossiê Carlota Joaquina em ótima resolução. Para fazer o download, basta CLICAR AQUI. Aproveitem!

ps. Ao baixar o arquivo, por favor, deixe um comentário nessa postagem. Grato.

Anúncios

4 comentários sobre “D. Carlota Joaquina é capa da edição de Setembro da Revista de História da Biblioteca Nacional

    • D. Carlota pode até ter tido um comportamento sexual nada recatado, porém não podemos resumi-la a isso! Ela foi uma mulher de opiniões políticas fortíssimas e sem medo de sofrer as consequências de seus atos. Uma mulher que foi corajosa e determinada a ponto de preferir o exílio à abdicar de seu poder absolutista merece muito respeito.

      Curtir

  1. Oi, Enzo!
    Discordo totalmente de você, me desculpe.
    Carlota Joaquina pode ter se destacado como uma das mais “fortes e corajosas” rainhas – em termos de obstinação e vontade de levar a coroa – mas não foi um exemplo… digamos assim, de bom caráter. Não, os historiadores, pesquisadores e biógrafos (de ontem e de hoje) são praticamente unânimes em afirmar: A rainha tinha uma tonelada de defeitos de caráter.
    Além, é claro, da famosa feiúra (afirmada e reafirmada por todo tipo de gente, de diplomatas a criados), Carlota era manipuladora, egoísta, cruel, irascível, impaciente, mãe descuidada e desnaturada, desleixada com a higiene, vingativa, ambiciosa, materialista… e por aí vai! Só para citar algumas das suas “características”. 😦

    Segundo os cronistas da época, ela não tentava sequer esconder seu ódio ao marido, ao Brasil e ao filho D. Pedro, preterido por D. Miguel (o seu queridinho). Só o fato de ela repudiar e repelir os filhos já mostra o quão infame era o seu perfil psicológico.

    Então não nos resta muito o que comentar dessa criatura malfadada, feia por dentro e por fora.

    O que ela fez de bom? Talvez tenha criado com amor Dom Miguel… mas nem isso pode redimi-la, já que o filho mimado a abandonou quando já não precisava mais dela. Tanto é que ela morreu sozinha e infeliz, enquanto Miguel subia ao tão sonhado trono português.

    Curtir

Deixe uma resposta para Mary Tapioca de Freitas Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s