Muito além do anel de noivado: a belíssima coleção de joias da princesa Diana – Parte I

Por: Renato Drummond Tapioca Neto

Em fevereiro de 1981, quando o noivado do herdeiro da Coroa britânica foi anunciado com Lady Diana Spencer, a jovem noiva chamou a atenção das câmeras com um belíssimo anel de safira, cravejado com vários diamantes. Ao contrair matrimônio, ela recebeu a posse de algumas joias históricas da família real, incluindo a belíssima Lover’s Knot Tiara da rainha Mary, além de várias gargantilhas com fios de pérolas e brincos de diamantes. Até sua morte, a princesa de Gales foi vista com algumas das mais belas peças da arte da joalheria, parte das quais desenhada especialmente para ela. Com seu estilo irreverente, Diana deu um novo significado ao modo como as mulheres da realeza usavam ouro, prata e pedras preciosas. Mais do que meros enfeites escolhidos para destacá-la entre as demais, ela utilizou suas joias em momentos que se tornaram icônicos, especialmente quando queria passar ao público uma mensagem subliminar sobre seu estado emocional. Após o trágico acidente que ceifou sua vida prematuramente aos 36 anos em 1997, a coleção de Lady Di foi imediatamente lacrada no seu cofre pelo mordomo Paul Burrell e em seguida entregue aos herdeiros, seus filhos William e Harry. Atualmente, algumas dessas peças regressaram à luz dos holofotes, usadas por suas noras, Kate Middleton e Meghan Markle.

ANEL DE NOIVADO

Em fevereiro de 1981, lady Diana Spencer e Charles, príncipe de Gales, firmaram oficialmente um compromisso de noivado. Na ocasião, Charles selou o pedido com um belíssimo (e caro) anel de ouro branco 18 quilates, com 14 diamantes incrustados em volta de uma safira de Ceilão, cortada em formato oval. O design da joia, criada por Garrard, foi inspirado no famoso broche que pertenceu à rainha Vitória no século XIX, dado como presente de casamento à rainha por seu marido, o príncipe Albert. Uma curiosidade é que o anel não foi desenhado exclusivamente para Diana. A peça estava disponível na coleção de joias de Garrard e podia ser adquirido por qualquer pessoa que tivesse dinheiro disponível para tanto. A princesa o teria escolhido por trazer algumas semelhança com o anel de noivado de sua própria mãe, Frances. Após o divórcio com Charles, Diana reteve a joia entre suas posses e continuou a usa-la até a sua morte, em 1997. Seu filho mais novo, Harry, o guardou como lembrança. Tempos depois, trocou-o com o irmão por um relógio Cartier, que também fora propriedade da princesa. Em 2010, quando William propôs casamento a Kate Middleton, ele selou o compromisso com o mesmo anel.

TIARA SPENCER

A famosa Tiara Spencer, usada constantemente pela princesa Diana em suas aparições públicas como esposa do herdeiro do trono britânico. Criada originalmente no século XVIII, a Tiara Spencer esteve entre as posses da família por várias gerações. Ao longo delas, a joia foi passando por transformações significativas nas mãos de diversas joalherias, incluindo a Garrards, responsável pela confecção de muitas das joias da Coroa no início do século XX. A armação de ouro branco com padrões florais é incrustada com diversos diamantes. Costumava ser utilizada pelas condessas e outras ladies da família Spencer, especialmente em celebrações de matrimônio, como no das irmãs de Diana, Lady Jane e Lady Sarah. Durante seu casamento com Charles, a princesa deu continuidade à tradição da família e solicitou a peça. Ela ainda a usaria em muitas ocasiões, por considerá-la mais leve do que as outras tiaras que estavam à sua disposição, como a Lover’s Knot da rainha Mary. Infelizmente, após um desentendimento com seu irmão, Charles, IX conde Spencer, no início da década de 1990, a joia foi retirada das posses da princesa, com base na justificativa de que ela havia sido apenas “emprestada” a Diana, mas que pertencia por herança ao conde. A princesa, por sua vez, guardou uma mágoa para com o irmão até pouco antes de sua morte, em 1997.

LOVER’S KNOT TIARA DA RAINHA MARY

A famosa Lover’s Knot Tiara, uma das peças de joalheria favoritas da princesa Diana. Desde o casamento dela com o príncipe Charles, em 1981, que a tiara foi reservada para uso exclusivo da princesa de Gales e agora adorna a fronte de sua nora, a duquesa Kate. A peça foi encomendada em 1913 pela rainha Mary de Teck à joalheiria Garrard e é composta por arcos de diamantes com pérolas naturais pendentes em formato de gota, agrupadas sobre uma armação de ouro branco. Na sua versão original, a tiara também possuía pérolas no topo dos arcos, até que a própria rainha Mary mandou reformar a peça, substituindo as antigas por diamantes redondos. A joia foi sucessivamente usada pela rainha Elizabeth II, que a deu para usufruto de Diana e acabou se tornando uma marca registrada da falecida de princesa de Gales. Tornaram-se particularmente famosas suas aparições com a peça usando o belíssimo vestido Elvis, que combinava corpete e bolero costurado com pérolas artificiais. Quando visitou o brasil pela primeira vez em 1991, Diana retirou a Tiara de seu estojo e a usou num evento ao lado da então primeira-dama, Rosane Collor. Com o divórcio do príncipe Charles, a tiara então ficou à disposição de outros membros da família real. Agora, é a duquesa de Cambridge, Kate Midleton, quem detém o usufruto da peça.

GARGATILHA DE PÉROLAS COM FECHO DE DIAMANTES

Gargantilha com quatro fios de pérolas, com um fecho frontal de diamantes, oriunda da coleção da rainha Elizabeth II. A soberana deu a posse da joia para Diana, princesa de Gales, em 1981, juntamente com outras peças da Coroa. Mas, após a separação da princesa com o príncipe Charles, em dezembro de 1992, Diana teve que restituir à monarca a coleção que havia recebido de empréstimo com seu casamento. Atualmente, Kate Middleton, duquesa de Cambridge, detém a posse da maioria das joias que Diana costumava usar, como a Lover’s Knot Tiara e o colar de pérolas da rainha. A esposa do príncipe William foi vista usado a peça em mais de uma ocasião, sendo a última delas no funeral do príncipe Philip, em abril de 2021.

GARGANTILHA DE ESMERALDAS ART DÉCO DA RAINHA MARY

A belíssima gargantilha de diamantes e esmeraldas em estilo Art Déco da rainha Mary de Teck. A consorte do rei George V encomendou a montagem da peça em 1921 ao joalheiro da Coroa, Garrard. A peça foi feita a partir de um conjunto de esmeraldas que ela havia recebido das Damas da Índia, dez anos antes. Uma vez pronta, passou a fazer parte da Delhi Durbar Parure, que a soberana comissionara especialmente para a coroação de George como Imperador da Índia. Depois da morte da rainha Mary, em 1953, a gargantilha passou para o acervo de sua neta, Elizabeth II. Em 1981, a monarca legou a posse do item, entre outras joias da Coroa, para Diana Spencer, princesa de Gales. A esposa do príncipe Charles fez sua primeira aparição com a gargantilha no ano seguinte e continuaria usando-a mesmo depois de se divorciar do marido, em 1996. A última vez foi em seu aniversário de 36 anos, no dia 1 de julho de 1997. Com sua morte dois meses mais tarde, a joia retornou para a Coroa. Entre os momentos mais marcantes da princesa Diana com a gargantilha, podemos destacar a turnê real de 1985 do casal de Gales pela Austrália, quando ela dançou com seu marido em Melbourne. Para aquela ocasião, Diana resolveu usar a joia de uma forma não convencional: em vez de no pescoço, a gargantilha foi vista na testa da princesa! Outra aparição famosa foi durante o banquete no Claridges, quando Diana combinou a gargantilha com a Tiara Spencer de sua família.

GARGANTILHA DE PÉROLAS E SAFIRA

A princesa Diana possuía diversos colares e gargantilhas de pérolas em seu cofre. Nenhuma, porém, foi tão bonita ou famosa quanto gargantilha de pérolas com fecho de diamantes e safira, que pode se removido e usado como broche. A joia foi um presente de casamento ofertado pela rainha-mãe, Elizabeth Bowes-Lyon, para a esposa de seu primeiro neto. A gargantilha é composta por sete fios de pérolas ligadas a um broche de safira cortada em formato oval, circundada por duas fileiras de diamantes menores. As peças também podiam ser usadas separadamente e foram desenhadas especialmente para combinar com o anel de noivado de Diana e com o par de brincos que vemos na imagem, confeccionados com as mesmas pedras preciosas. Assim como o anel e os brincos, a gargantilha acabou se tornando uma marca registrada da princesa de Gales, que continuou a usá-la mesmo após o divórcio do príncipe Charles. Uma de suas aparições mais famosas com a joia foi no jantar oferecido na Casa Branca em 1985, no qual ela dançou com John Travolta. Infelizmente, desde a morte de Diana em 1997 que a gargantilha não é mais vista em público, tendo sido herdada por seus filhos. Imagina-se que a próxima a usar seja Kate Middleton, duquesa de Cambridge, que já detém a posse do anel de noivado e dos brincos que faziam uma espécie de conjunto com a joia remanescente.

GARGANTILHA DA DIAMANTES E SAFIRA DA ARÁBIA SAUDITA

A belíssima gargantilha de diamantes e safiras, que a princesa Diana recebeu do príncipe da Arábia Saudita, juntamente com um conjunto de brincos (que podem ser vistos na imagem da direita), colar e pulseiras. A joia foi especialmente confeccionada para combinar com o anel de noivado da princesa e os brincos engastados com as mesmas pedras preciosas (as duas peças hoje estão em posse de Kate Middleton, duquesa de Cambridge). Diana costumava usar a joia com alguma frequência, mas uma de suas aparições mais icônicas com ela foi no ano de 1986, durante a visita real do Casal de Gales por Tóquio. A esposa do príncipe Charles foi fotografada com a peça na testa, em vez de no pescoço. Como a princesa dispunha apenas de duas tiaras para suas aparições oficiais (a Tiara Spencer e a Lover’s Knot Tiara), ela resolveu dar à gargantilha uma nova função, o que denota o caráter não convencional com que a princesa de Gales usava seus itens de valor. Porém, desde sua morte, em 1997, que a joia de diamantes e safiras da Arábia Saudita não foi mais vista. Provavelmente, está em posse de um de seus filhos, William ou Harry, esperando o momento certo para brilhar diante dos holofotes outra vez.

BRINCOS DE BORBOLETA

Quando se casou com o segundo filho da princesa Diana, Meghan Markle, duquesa de Sussex, também recebeu algumas joias de sua falecida nora, que estavam em posse do príncipe Harry. Entre elas, podemos destacar um par de brincos de ouro e brilhantes em formato de borboleta, engastado com brilhantes e pedras azuis. Embora Kate Middleton tenha, ao que parece, herdado a posse da maioria das joias de Diana através de William, o príncipe Harry também legou algumas para sua esposa. Diana usou os brincos (que faziam conjunto com um colar) em uma visita ao Canadá, em 1986. Após sua morte, essas joias ficaram para seu segundo filho. Meghan foi fotografada com as peças em 15 de outubro de 2018, durante a turnê real do duque e da duquesa de Sussex pelo Canadá, quando eles ainda trabalhavam junto com a realeza.

BRACELETE DE OURO

Meghan Markle, duquesa de Sussex, usando um bracelete de ouro que havia pertencido à princesa Diana, durante uma performance de caridade no Cirque du Soleil, no dia 16 de janeiro de 2019. A falecida princesa de Gales usara a joia em inúmeras ocasiões, especialmente durante um evento ocorrido no ano de 1994. Com a divisão do espólio das joias de Diana após sua morte, em 1997, o príncipe Harry ficou com o bracelete de ouro engastado com duas pedras preciosas. O novo duque de Sussex passou então a peça para sua esposa, que foi notada pela primeira em seu braço pouco depois do casamento de ambos, em 2018, durante a turnê do casal pela Austrália, Nova Zelândia, Ilhas Fiji e o reino de Tonga.

Referências Bibliográficas:

BROWN, Tina. Diana: crônicas íntimas. Tradução de Iva Sofia Gonçalves e Maria Inês Duque Estrada. Rio de Janeiro: Ediouro, 2007.

FINCHER, Jayne. Diana: retrato de uma princesa. Tradução de Carla de Sousa. Lisboa: Callaway, 1998.

MARR, Andrew. A real Elizabeth: uma visão inteligente e intimista de uma monarca em pleno século 21. Tradução de Elisa Duarte Teixeira. São Paulo: Editora Europa, 2012.

MEYER-STABLEY, Bertrand. Isabel II: a família real no palácio de Buckingham. Tradução de Pedro Bernardo e Ruy Oliveira. Lisboa, Portugal: Edições 70, 2002

KELLEY, Kitty. Os Windsor: radiografia da família real britânica. Tradução de Lina Marques et. al. Sintra, Portugal: Editorial Inquérito, 1997.

MORTON, Andrew: Diana – sua verdadeira história em suas próprias palavras. Tradução de A. B. Pinheiros de Lemos e Lourdes Sette. 2ª ed. Rio de Janeiro: Best Seller, 2013.

Sites:

The Court Jeweller – Acesso em 08 de julho de 2022.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s