O mundo de Aurora – estória sobre uma moça mimada e apaixonada (livro Renascer)

Por: Amanda Aparecida

Você já imaginou como seria sua árvore genealógica? E principalmente se é descendente de algum Rei/Rainha importante na história? Ou se sua ancestral foi alguma mulher importantíssima para alguma Revolução? Tradição também é um ponto extremamente especial, mas quantas pessoas valorizam-na? Já vieram me perguntar se o fato de Renascer, ser tão voltado à realeza me torna uma “fascinada” por monarquia. Claro que não é bem assim.

Desde pequena sempre achei aquelas histórias de princesas, algo maravilhoso, Cinderela, A Bela e a Fera, Branca de Neve, entre outras. No entanto desde aquela idade sabia que as coisas não poderiam ser daquele jeito, porque a realidade era/é sempre mais dura. Quando comecei o Reencontro já tinha a ciência de que, não queria um livro igual aos outros, uma obra da qual, a protagonista tem um “felizes para sempre” e BUM! Acabou. Claro que não! E queria envolver a realeza nisso tudo, porém era bem difícil. Mas um dia a luz bateu na cabeça e chegou a ideia de fazer com que Mariana Rhoncellis fosse filha da nobreza. Ah, claramente terão aqueles que dirão que isso é impossível, que isso não tem sentido, que isso está parecendo um conto de fadas, que isso… e infinitas balelas. Sempre fui em busca de modos novos de escrita e este foi um desafio. O pior deles.

Cair de cabeça nos estudos de história não foram e não são tarefa fácil. O pior não é estudar e escrever sobre aquilo que já aconteceu. Mas sim, estudar, planejar um roteiro e escrever na divisão disto: realidade e ficção. A primeira coisa que a luz trouxe para minha cabeça, foi o nome do reino, Rhoncellis. Dali em diante, era seguindo na divisão citada. As pessoas podem ler Renascer achando que escreverei ele nas formas à risca do contexto histórico. Calma lá! Já li livros de história demais, né?! Vamos colocar uma pitada de tudo. O real e o irreal. Se quiserem algo verdadeiro, as bibliotecas estão abertas. Tradições, cartas, diários, mistério, sempre foram coisas ligadas na minha vida. Minha mãe, desde jovem escrevia em seu diário tudo o que eu fazia quando pequena e também objetos da infância dela, dera-me ao crescer.

14102013_747478908727928_1946834929_n

Digo que muita coisa do que imagino/escrevo é por causa dela que cultivou, ‘sem saber’, a minha inspiração. Sabemos que em histórias de época as mulheres muitas vezes não tinham voz, quantas vezes li os relatos e entrei em revolta? Meu Deus! Dali surgiu outro motivo: Por que mulheres não poderiam ser as autoras de grandes revoluções? E também poderem ser grandes vilãs para discórdia? E então nasceu minhas personagens, Ana Victorie, Anastácia, Sienna Evered, Alana Bhélline, entre tantas outras. Outra questão também, a rivalidade. A realeza X povo. Criar a guerra entre Rhoncellis e Bhéllines foi fascinaste. Uma divisão imensa que começara no final da idade média até os dias de hoje. A verdade é que eu poderia criar uma fantasia, fazer meus reinos com monstros e guerreiros, mas isto nunca foi o “meu tipo”, haha. Toda vez que leio um livro e fico naquela depre horrível após terminá-lo, fico a me imaginar dentro da obra. E pensei desde então que meus leitores deverão se sentir dentro da mesma divisão que a minha. Imaginarem-se descendentes de Rhoncellis ou Bhéllines. Isso é um sonho! Quero também que eles passem a se questionar que tudo o que fazemos hoje são as sentenças de amanhã.

Nasce então, o Mundo de Aurora. A garotinha mimada e apaixonada. Aquela coisa egoísta, sabe? Normal em diversas histórias. A menina que não olha o mundo que gira ao seu redor que será freada pelo passado de sua família. E assim se forma a trilogia, Ethernestrova (eterno como canção) que ainda está sendo escrita, mas que deixara seus rastros por alguns lugares, como a Carta de Ana Victorie.

Rainha Rhoncelliana Reinante da França, Século XVI
Augustine I de modo algum assentiria contemplar-me descendo da carruagem de Luvier, a ser recebida ao som do Hino pelos convidados. Em tempo algum a Majestade, assistiria logo eu, a curvar-me e no silêncio a conceber minha prece. O manto por cima fulvo e por dentro negro como meu cavalo, o Pégaso. Augustine I, não cederia ver o representante da Igreja colocar sob minha cabeça a coroa, aquele objeto tão nobre que me tornaria a mulher mais poderosa da França. A rainha Rhoncelliana. A primeira mulher a reinar no início da Idade Moderna. O rei, jamais aceitaria que eu subisse aqueles degraus para uma coroação. Não, eu não sou inimiga dele. Meramente, a Majestade abominava uma mulher no trono. Ele asseverava que somos frágeis, ineptas. Enganou-se, Augustine I! Vosso filho que seria o Rei, morrera. De forma trágica e fútil. E ousas a pronunciar que eu? Ana Rhoncellis, sejais incapazes? Não! Sob outra perspectiva, não sou rival dele. Unicamente estou aqui para provar aos meus descendentes que uma mulher é capaz de governar uma nação com justiça. Minha mãe, Serena Rhoncellis, era uma rainha consorte. Não tinha poder do Estado. Não tinha voz. Era submissa a ele. Sou a primogênita, estou sendo coroada pela Primogenitura Cognática, onde, se o monarca não ter um herdeiro homem, a sucessão passa para sua primeira filha, porém se ela vier a se casar, seu título por direito próprio, passa a ser de seu esposo. Considero que um dia terei que me casar e isso não demorará, Apolo Derrevielis, és meu noivo. A minha linhagem não fenecerá. Augustine I, era infelizmente, meu pai. Um homem bruto e cruel. Que hoje, está perecendo em um caixão debaixo da terra. E sua rainha consorte, suicidou-se há quase dez anos. E minha irmã Andie, fora omitida da corte ainda aos cinco anos de idade, por ser fruto do adultério da rainha com o conde Benjamin. Seja dito de passagem, ambos eram Bhéllines. Consequentemente, desta maneira, minha inocente irmã, era da linhagem dos traidores, foi assassinada, tão nova e ainda tão pequena. No tempo em que eu ainda tinha dez anos, ingleses invadiram a França para matá-los. A cidade de Orleans fora a primeira ser atacada. Este morticínio foste lembrado como O Massacre 11 de Dezembro. Cresci solitariamente. Sem afetos e bons exemplos. Com ódio e mágoa. No entanto, senti nas raízes do coração o amor. Passei a viver com a cultura Bhellineana, em memória de minha falecida irmã.
De modo algum a Majestade, cederia o trono, o manto, o cetro e a orbe à uma mulher. De modo algum Augustine I, se conformaria com sua primogênita, sendo rainha reinante no Reino Rhoncelliano. Noiva de Apolo Derrevielis e destinada a consumar o Renascer na França. Despertando o fim da rivalidade entre Rhoncellis e Bhéllines e por conseguinte fazer deste povo, o meu aliado. E a proteção do meu legado.”
Obs. Este texto foi enviado pela leitora Amanda Aparecida para o nosso Espaço do Leitor. Caso você tenha algum texto bacana, que se encaixe na temática no blog, então envie para nós!
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s