O império da cortesã: as amantes reais e seus poderes quase ilimitados

Por: Renato Drummond Tapioca Neto

A questão do adultério é um fato bastante conhecido durante quase toda a história ocidental. Em tese, os cônjuges deveriam ser fieis um a outro, especialmente as esposas, uma vez que sobre elas repousava a legitimidade dos futuros herdeiros do casal. No regime monárquico, uma rainha acusada de adultério, por exemplo, era declarada traidora e, por isso, condena à morte. Por outro lado, era considerado direito dos reis tomar para si uma, ou várias amantes, visto que, na maioria dos casos, eles se casavam não por amor, mas sim por política. Dessa forma, no leito conjugal a lei que ditava o desempenho dos soberanos era a perpetuação da linhagem, enquanto o amor e o desejo carnal eles reservavam a outras. Mas quem eram essas poderosas figuras femininas? Que segredos elas possuíam a ponto manter sobre si mesmas, embora por um período limitado, o desejo e a atenção dos homens? Muitas delas, inclusive, chegaram a exercer forte papel político na vida de seus parceiros, opinando em questões de Estado e distribuindo favores reais aos seus mais chegados. Destarte, selecionamos aqui a trajetória de algumas amantes de reis e/ou imperadores que entraram para os arautos da história, no intuito de exemplificar o que foi dito até agora.

Possível retrato de Maria Bolena, por artista desconhecido.

Possível retrato de Maria Bolena, por artista desconhecido.

Um bom exemplo, para início de conversa, seria a vida de Maria Bolena. A irmã da segunda esposa de Henrique VIII, Ana Bolena, é uma grande interrogação na história inglesa. Amante de dois reis, ela se transformou numa representação de ousadia feminina para o século XVI ao casar-se com o homem de sua escolha, em detrimento da opinião de seus familiares. De acordo com os rumores da época, Maria, durante sua temporada na França, se tornou maîtresse do rei Francisco I, que a teria apelidado de “minha égua inglesa”. Quando voltou para casa (c. 1520), a moça foi inserida no séquito de Catarina de Aragão, onde atraiu os olhos de Henrique VIII, que também a tomou por amante. O relacionamento, contudo, parece que não durou muito, e no final ela ficou conhecida pelo rótulo de “a grande prostituta”. Após enviuvar, passou por muitas dificuldades, até encontrar um homem que a aceitou como esposa. Sua descendência, por sua vez, perdura até os dias de hoje. Mas apesar de ter sido amante do rei da Inglaterra, a posição de Maria Bolena não foi oficializada por Henrique, diferentemente de sua predecessora Bessie Blount, cujo filho foi reconhecido pelo próprio monarca como um bastardo real.

Ao contrário da Inglaterra, a França do antigo regime constitui-se num campo muito mais interessante para se avaliar o poder e a influência de uma amante, cuja posição, se reconhecida, assimilava-se em muitos aspectos a um cargo político, denominada maîtresse-en-titre, traduzido como “amante oficial”. Para Benedetta Craveri,

Na França do Quinhentos, soberanas e princesas não são, todavia, as únicas a ocupar a cena. Na sua ausência, ao lado delas e muitas vezes em aberto antagonismo com elas, avançam as rainhas do coração, as poderosíssimas favoritas reais: a duquesa de Étampes e Diana de Poitiers, amantes respectivamente de Francisco I e Henrique II; Gabrielle d’Estrées e Henriette d’Etrangues, destinatárias privilegiadas do amor ardoroso do mui galante Henrique IV (CRAVERI, 2007, p. 18).

O caso de Diana de Poitiers é extremamente interessante, pois ela foi a primeira grande amante de um rei da França. Sua figura graciosa eclipsava quase completamente a da rainha Catarina de Médici. Foi musa de muitos artistas, entre eles François Clouet, que chegou a pinta-la em um nu artístico. Apesar de Henrique II ter mantido relações com outras mulheres, era a Diana que ele devotava completa obediência, para frustração de sua esposa.

Diana de Poitiers, em nu artístico de François Clouet.

Diana de Poitiers, em nu artístico de François Clouet.

Catarina, por sua vez, chegou a acreditar que sua rival era uma espécie de feiticeira e que lançava mão de sortilégios para prender a atenção do rei, visto que a influência de Diane ia muito além do campo afetivo: ela atuava abertamente como um tipo de conselheira real. Os embaixadores estrangeiros, inclusive, chegavam a lhe fazer a corte antes mesmo de irem visitar a rainha. Ela usava as joias da coroa, presidia a inúmeros colóquios políticos e tinha uma voz bastante ativa no reino, o que era algo raro na França, uma vez que política, especialmente naquele país, era um assunto de homens. Mas seu reinado chegou ao fim após a morte de Henrique (1559), quando Catarina de Médici assumiu todos os poderes da regência e expulsou sua rival da corte. O poder de uma maîtresse-en-titre emanava exclusivamente de seu parceiro. Sem ele, o campo de atuação dela passava a ser bastante limitado. Contudo, Diana acumulou bastante riqueza durante seu relacionamento com o rei e terminou seus dias como uma das senhoras mais veneradas de seu tempo, tanto pela beleza quanto por sua astúcia. Depois dela, as portas estavam abertas para que outras mulheres seguissem os seus passos e se tornassem tão, ou mesmo mais famosas. É esse o caso da célebre Françoise Rochechouart-Mortemart, a futura marquesa de Montespan.

A amante mais famosa de Luís XIV, o “rei sol”, já serviu de inspiração para vários romances e foi a principal agente de muitas conspirações na corte. Françoise possuía uma linhagem nobre que remontava ao século XII, o que a recomendou para o cargo de dama de companhia da rainha Maria Tereza da Áustria. Foi nesse ambiente, por volta da década de 1660, que o seu relacionamento com o rei deslanchou. Naquela época, Luís possuía outra amante oficial, Louise de La Vallière, que passou a servir como um escudo para encobrir o relacionamento do rei com a Montespan. Mulher de convicções religiosas, Louise decidiu que já era tempo de abandonar sua gasta relação com o rei e redimir seus pecados entrando para um convento. Sua atitude foi muito admirada pela corte, especialmente pela rainha, que a perdoou pelas angustias que o relacionamento dela com o rei lhe causaram. Mas se por um lado Louise abandonava a cena em grande estilo, por outro deixava em evidência o relacionamento de Luís com Françoise, que por volta de 1674 já não era segredo para mais ninguém.

Louise de La Vallière (esquerda) e Madame de Montespan (direita), amantes do rei Luís XIV.

Louise de La Vallière (esquerda) e Madame de Montespan (direita), amantes do rei Luís XIV.

Até hoje, os famosos banhos de piscina de Montespan e Luís XIV enchem a imaginação de muitos escritores[1]. Segundo Madame Caylus, o projeto de Françoise era “governar o rei com a ascendência de sua personalidade, tendo assim a ilusão de ser dona tanto da sua inclinação como da paixão do monarca. Ela acreditava que sempre o faria desejar o que ela havia decidido não lhe conceder” (CRAVERI, 2007, p. 204). Infelizmente para a marquesa, seu plano não deu certo, pois se havia um rei que não aceitava dividir seu poder, esse era Luís XIV. Apesar de tudo, o relacionamento entre eles durou muito e coincidiu com a fase mais próspera do reinado do monarca, terminando com uma série de boatos que ligavam Montespan a vários assassinatos envolvendo o uso de veneno e poções afrodisíacas para manter a atenção do monarca sobre si mesma. Assim como suas predecessoras, ela terminou seus dias gozando de bastante prestígio e repleta de tesouros acumulados ao longo dos anos de seu relacionamento com rei.

Mas se Luís XIV não dividia seu poder, o mesmo não se pode dizer de seu neto, Luís XV, que por muito tempo foi quase uma marionete nas mãos de Jeanne-Antoinette, a célebre marquesa de Pompadour. De ascendência burguesa e muito “bem feita de corpo”, Jeanne tinha como objetivo seguir os passos de Madame de Maintenon, última amante de Luís XIV, e se tornar uma patrona do ensino e das artes, só que não foi exatamente isso o que aconteceu. Sua ascendência sobre o rei se tornou tão grande, que logo ela atraiu o ódio da população para o monarca. Jeanne não tardou em promover os interesses de sua família na corte e a exercer uma política contraditória aos interesses da nobreza palaciana. Ela passou a ser uma espécie da porta-voz dos interesses de Luís e seus aposentos em Versalhes foram descritos como mais próximos de um gabinete político do que qualquer outra coisa. Ao lado de seu amigo, o duque de Choiseul, ela foi uma das mentes por trás do projeto de aliança franco-austríaca, que culminou, anos mais tarde, com o casamento do delfim Luís Augusto com a arquiduquesa Maria Antonieta.

Madame du Barry (esquerda) e Madame de Pompadour (direita), amantes do rei Luís XV.

Madame du Barry (esquerda) e Madame de Pompadour (direita), amantes do rei Luís XV.

Diferentemente de suas antecessoras no posto de maîtresse-en-titre, o domínio da marquesa de Pompadour sob Luís XV se dera muito mais no campo psicológico do que no erótico. Após quatro anos de relacionamento, Jeanne apresentou alguns problemas ginecológicos e por isso deixou de compartilhar o mesmo leito que o rei, conseguindo conservar o carinho do soberano e sua posição de influência até o fim de seus dias. Com a morte de Pompadour, o cargo de amante oficial estava livre para ser ocupado por outra pessoa, e essa seria ninguém menos que Jeanne Bécu, a futura Madame du Barry. Até agora, conforme observamos o posto de amante era geralmente ocupado por mulheres bem nascidas ou com alguma conexão com a nobreza. Pompadour, com suas origens burguesas, quebrou essa linha. Mas até então nenhuma prostituta havia sequer passado perto de exercer a função maîtresse. Du Barry foi a grande exceção. Apesar de sua longa experiência sexual, Luís XV jamais teve contato com uma verdadeira cortesã, capaz de lhe proporcionar um prazer que ele nunca tivera com suas outras amantes.

Contudo, devido às suas baixas origens sociais, du Barry precisava de um título nobiliárquico para ser aceita em Versalhes, que logo foi arrumado por seu real amante através de um casamento de fachada. Nem é preciso mencionar que a nobreza se sentiu insultada por ver uma ex-prostitura caminhando entre os corredores do palácio, coberta de joias e roupas caras. Tão logo Jeanne (ou Angie, como era conhecida), começou a interferir na política, despertou o ódio da população, principalmente por ela ser uma das responsáveis pela demissão do ministro Choiseul. Após a morte de Luís XV (1774), a favorita foi banida da corte, devido à antipatia que a nova rainha, Maria Antonieta, nutria por ela. Por mais de 20 anos após a morte do rei, Angie permaneceu como uma mulher rica e manteve uma espécie de segunda corte em suas residências, até ser acusada de traição em 1793 e decapitada pela guilhotina. Assim terminou a vida da última grande amante da monarquia francesa. Mas o cargo de maîtresse-en-titre sobreviveu, viajando pelos mares e vindo parar no Brasil de 1822, quando o regime monárquico independente dava seus primeiros passos no país.

Domitila de Castro, marquesa de Santos.

Domitila de Castro, marquesa de Santos.

Aqui, a maior referência que temos no cargo de amante oficial é Domitila de Castro Canto e Melo, marquesa de Santos. Seu caso com o Imperador D. Pedro I escandalizou toda a Europa e até hoje é alvo de estudo entre muitos historiadores e biógrafos. As origens do relacionamento entre ambos se misturam com o próprio processo de Independência do Brasil, documentadas por uma série de cartas trocadas pelos amantes ao longo dos sete anos em que permaneceram juntos. Domitila não era uma grande beldade ou possuidora de muita inteligência, mas sabia encantar os homens por seu espírito livre e desinibido. Graças ao seu caso com o imperador, ela e sua família receberam vários títulos e posses. A própria Domitila fora elevada ao título de marquesa, da mesma forma que Luís XIV e Luís XV fizeram com suas amantes. Após a morte da Imperatriz D. Leopoldina (1826), a corte brasileira temia que o Imperador fizesse da amante sua segunda esposa, como quase aconteceu com o rei Henrique IV da França e sua amante Gabrielle d’Estrées, mais de 200 anos antes. Porém, ciente da impopularidade que seu relacionamento com Domitila atraiu, D. Pedro a baniu para São Paulo em 1829, deixando o caminho livre para a vinda de sua nova consorte, a Imperatriz D. Amélia de Leuchtenberg.

Amantes e rainhas quase sempre mantiveram uma relação tensa: as primeiras por conquistarem os corações dos soberanos e as segundas por não conseguirem destruir esse afeto. Nos casos até aqui analisados, poucas foram às soberanas que souberam afastar a presença de suas rivais, como aconteceu com Catarina de Médici, que expulsou da corte Diana de Poitiers após a morte de Henrique II; no caso de Maria Bolena, tanto Francisco I da França quanto Henrique VIII da Inglaterra se cansou fácil dela, deixando-a com uma reputação maculada depois do fim do relacionamento. Sendo assim, para uma amante assumir a plenitude de poderes ela precisava de grande astúcia e contar com o caráter maleável dos reis. Nesse aspecto, a grande vitoriaza foi a marquesa de Pompadour, que mesmo tendo parado de fazer sexo com Luís XV, conseguiu manter sua influência sobre ele. Estudar a trajetória de tais senhoras é muito mais do que revelar segredos de alcova ou fazer julgamento de suas atitudes. Antes disso. É por meio de suas vidas que se pode enxergar como as mulheres souberam exercer poder e influência por trás da falsa superioridade masculina, da qual a história ainda se encontra repleta.

Referências Bibliográficas:

CRAVERI, Benedetta. Amantes e rainhas: o poder das mulheres. Tradução de Eduardo Brandão. – São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

FRASER, Antonia. Maria Antonieta. Tradução de Maria Beatriz de Medina. 4ª edição. Rio de Janeiro: Record, 2009.

LOADES, David.  As Rainhas Tudor – o poder no feminino em Inglaterra (séculos XV-XVII). Tradução de Paulo Mendes. – Portugal: Caleidoscópio, 2010.

PRIORE, Mary Del. A carne e o sangue: A imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a marquesa de Santos. – Rio de Janeiro: Rocco, 2012.

WEIR, Alison. Mary Boleyn: the mistress of kings. – New York: Ballantine Books, 2011.

[1] A própria historiadora Mary Del Priore chegou a comparar essa prática do rei sol com a de D. Pedro I e a marquesa de Santos (chamada por alguns de a “Pompadour dos trópicos”).

Anúncios

7 comentários sobre “O império da cortesã: as amantes reais e seus poderes quase ilimitados

  1. Sobre as amantes dos reis de Portugal ver Lourenço, Paula, e outros, «As Amantes dos Reis de Portugal», editora A Esfera dos Livros e Nobre, Eduardo, «Paixões Reais», (2 vols), Quimera.

    Curtir

  2. Pingback: Assisti: Em Luta pelo Amor (Dangerous Beauty) - Lady Cult

  3. Uma excelência seu relato sobre as amantes oficiais dos reis, creio q no caso com a marquesa de Pompadour, realmente eles se amavam. Uma mulher q se encontra desejada, ela terá permissão para ser espontânea e usar de sinceridade. Penso assim, sabia realmente, entender a alma d seu amante. Na vida real, com pessoas comuns é assim. É o céu.

    Curtir

  4. Estou adorando os textos, são excelentes. Gostaria de saber mais sobre Madame de Pompadour. Reinette foi realmente uma “rainha não coroada”?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s