Um encontro com D. Leopoldina

Por: Remato Drummond Tapioca Neto

A morte, de uma maneira ou de outra, sempre foi objeto de fascínio na mente humana, curiosa por saber o que acontece quando se dá o último suspiro. Uma sala ou quarto antes ocupados por ilustres seres do passado revelam marcas de seus antigos habitantes, assim como objetos pertencentes a outrem nos mostram detalhes preciosos sobre o cotidiano deste indivíduo. Dessa forma, um túmulo, mesmo que imerso no silencio e escuridão da pós-vida, nos conta uma porção de histórias e esclarece inúmeras perguntas, desde que se tenha bom senso e perspicácia pra se entender os questionamentos levantados acerca do item em questão. Fascinado por essa compreensão, resolvi, no dia 04 de dezembro de 2012, fazer uma visita ao museu do Ipiranga, em São Paulo, no intuito de resgatar aspectos pitorescos sobre a vida de D. Leopoldina, a matriarca do Império do Brasil. Minha ansiedade, contudo, ficara ainda mais acentuada quando me confrontei com o fato de que bem em frente ao museu se encontra o mausoléu, que guarda os restos mortais de D. Pedro I e de suas consortes.

Renato Drummond ao lado do retrato de D. Leopoldina e seus filhos, pintado por Domenico Failutti.

Renato Drummond ao lado do retrato de D. Leopoldina e seus filhos, pintado por Domenico Failutti.

O passeio, que durara aproximadamente duas horas, me trouxe um novo olhar para a vida da realeza na fase do primeiro império (1822 – 1831), principalmente sobre a trajetória e os dissabores daquela arquiduquesa austríaca que aportou no Brasil em 1817, cheia de sonhos e esperanças, e que pouco tempo depois iria lamentar seu destino num país cujos costumes eram diferentes dos seus. Para celebrar o aniversário de 186 anos de sua morte, deixo aqui para você, meu caro leitor, o relato de minha aventura, que começou nos belos jardins do museu do Ipiranga, e terminou ao lado do túmulo de D. Leopoldina de Habsburgo. Minha emoção foi tamanha, que planejava publicar esse texto no dia mesmo em que fiz a visita. Porém, pensei que seria melhor adiar a postagem para hoje, já que é um dia muito lembrado por pesquisadores e biógrafos desse período da História da nação, quando a morte de uma mulher foi suficiente para desmoralizar um homem visto como o salvador da pátria; aquele que libertou o povo brasileiro do domínio de Portugal e que nos deu uma constituição duradoura e muito eficaz, durante os anos em que vigorou.

A manhã do dia 04 de dezembro estava calma, perfeita para um passeio no bairro do Ipiranga, no centro da maior Capital do País. A cidade de São Paulo esconde inúmeros tesouros desconhecidos pela maioria da população, e um deles é o Museu Paulista da USP, também conhecido pelo nome do bairro onde se localiza. Projetado por Tommaso Gaudencio Bezzi, e inaugurado em 1895, sua construção harmoniosa apresenta paredes externas em tons pastéis, rodeadas por belos jardins que, por sua vez, oferecem um tom pitoresco ao local. Assim que adentrei no recinto, fui logo confrontado com uma imensa estátua de D. Pedro I, medindo aproximadamente 3m de altura. Confesso que fique fascinado pelo monumento, principalmente pela pose heroica exibida pelo imperador. Logo me veio na cabeça como não só os retratos pintados ressaltam o que haviam de melhor nas pessoas, mas também as esculturas revelam as intensões do artista em esconder as fragilidades do modelo em questão.

Encantado por aquela enorme estátua, quis dar uma caminhada pelos corredores térreos do museu, a procura de algo interessante para o blog Rainhas Trágicas. Iniciando minha jornada do Saguão principal para a “Ala História do Imaginário”, observei de galeria em galeria, todas aquelas imagens que já vira nos meus livros de História do ensino fundamental e médio: paisagens do Brasil quinhentista; índios botocudos em contato com o português colonizador; retratos de bandeirantes, como o de Domingos Jorge Velho, pintado por Benedito Calixto; cenas da vida cotidiana; e uma excelente maquete da cidade de São Paulo do século XIX. Já no corredor esquerdo do andar térreo, conhecido como “Galeria Universo do Trabalho”, havia ao lado da loja de lembranças, alguns modelos de carros de serviço público, que rodavam o Brasil entre os anos de 1890 – 1920. O subsolo do museu, por sua vez, abriga uma extensa coleção de objetos de uso cotidiano, como ferros de passar (aqueles feitos de puro ferro e aquecidos com carvão em brasa) e alguns bustos esculpidos dos principais personagens de nossa História.

Mecha de Cabelo - consta ter pertencido a D. Leopoldina, e foi guardada pela Marquesa de Valença.

Mecha de Cabelo – consta ter pertencido a D. Leopoldina, e foi guardada pela Marquesa de Valença.

Terminado essa primeira parte da visita, logo quis ir para as grandes escadarias frontais, onde a estátua de D. Pedro estava. Ao subi-las, reparei que nos corrimões estavam posicionadas esferas de vidro de forma estratégica, e dentro de cada uma delas continham amostras de água dos principais rios brasileiros. Fiquei maravilhado com tudo aquilo, e um pouco decepcionado por não ter considerável quantidade de pessoas prestigiando todo aquele patrimônio que o país tem a oferecer. Assim que terminei de subir as escadas, sabia que na próxima sala, chamada de “Salão Nobre”, encontraria o famoso quadro do Grito do Ipiranga, pintado por Pedro Américo, medindo 4,15 m de altura e 7,60 m de largura. Impressionante! A imagem mais mentirosa sobre a independência do nosso país em proporções gigantescas. Todavia, mais impressionante ainda foi à tela póstuma de Domenico Failutti, retratando D. Leopoldina e seus filhos. Saíra de casa a procura de vestígios da primeira imperatriz, e finalmente encontro um de seus quadros mais belos, mostrando-a feliz e rodeada por suas crianças. Os filhos eram o único conforto de Leopoldina diante das infelicidades que sofria ao lado do marido.

Monumento ao Centenário da Independência.

Monumento ao Centenário da Independência.

Passei cerca de cinco minutos analisando a obra de Failutti, já exposta aqui em textos anteriores, até que minha irmã, que estava a me acompanhar neste passeio, me chamou a atenção para uma cristaleira em formato de mesa, onde estavam expostas várias mechas de cabelo, e entre elas a da nossa querida imperatriz. Os fios louros teriam sido guardados pela marquesa de Valença, que era dama de honra de Leopoldina, e agora estão expostos juntamente com outros cachos, igualmente louros, pertencentes a D. Amélia de Leuchtenberg, D. Teresa Cristina e à princesa Isabel, respectivamente. Como não sabia se voltaria ao museu em uma data próxima, me veio à vontade de fotografar aquela relíquia, mesmo sendo contra a política do estabelecimento. De uma maneira disfarçada, consegui capturar com o aparelho celular uma imagem não vista até agora por mim em inúmeros sites e blogs da rede, repletos de imagens clandestinas do interior do local. Decidido a guardar aquela lembrança, me arrisquei e tirei uma foto do que eu queria, sem ser surpreendido por qualquer guarda.

Portão Inferior da capela Imperial vandalizado.

Portão Inferior da capela Imperial, vandalizado.

Estava em estado de êxtase: não só tinha conseguido uma fotografia da mecha de cabelo de D. Leopoldina, como também posara ao lado de um dos retratos mais famosos da mesma. Depois de me despedir do “Salão Nobre”, fui conhecer as outras galerias do museu, onde encontrei peças de roupa, móveis (cadeiras, cabeceiras de cama, mesas, armas), etc. Todos perfeitamente preservados e ao alcance de qualquer um que tenha interesse. São tantos os itens do recinto, que seria quase impossível contemplá-los em uma única hora. Mas, pelo menos, consegui visitar todas as exposições e assinar no livro de visitas, localizado no Saguão de entrada. Todavia, minha jornada não havia terminado. Sabia que tinha mais um lugar que eu precisava ver e que, por sorte, não ficava tão distante dali: o monumento ao centenário da independência, que em seu interior abriga os túmulos do nosso primeiro imperador e de suas duas esposas.

A Impaciência me tomara por completo! Queria logo poder estar de perto de uma das soberanas que mais admiro na história mundial. A caminhada do Museu do Ipiranga ao monumento ao centenário durou pouco mais de 10 min, pois aproveitei para tirar mais algumas fotos para um álbum pessoal. Quando cheguei, escalei todos aqueles degraus, a fim de poder examinar de perto cada detalhe ricamente trabalhado naquele edifício, com suas estátuas e cenas imortalizadas nos arautos da história brasileira. Na parte da frente do monumento encontram-se duas escadarias (uma no lado direito e outra no lado esquerdo), que dão acesso aos portões da capela imperial. Infelizmente, um deles, que ostenta entalhada a coroa de Pedro I, estava riscado por um material semelhante ao giz, com palavras desconexas, que em muito degradavam o conjunto da obra. Assim que vi aquele estrago, senti a necessidade de me posicionar diante de tamanho ato de vandalismo, e por isso deixo aqui meu protesto, ressaltando a necessidade de se haver maior respeito por parte das pessoas há um bem comum.

Detalhe da Inscrição que marca o repouso final de D. Amélia de Leuchtenberg.

Detalhe da Inscrição que marca o repouso final de D. Amélia de Leuchtenberg.

Cansando de tanto postergar minha entrada ao edifício, resolvi me adiantar, pois meu tempo já estava se esgotando e depois dali teria outros compromissos a honrar. O interior do monumento é todo climatizado e revestido de paredes brancas, onde podemos ver alguns letreiros com curiosidades e fotos sobre os principais atores do processo de independência do país. No centro do mesmo, há uma extensa escadaria que desce cerca de 5 metros até o chão, onde há um magnífico santuário de mármore negro marquina, com detalhes em bronze. Depois de descer totalmente as escadas, então o visitante olhará para seu lado esquerdo e verá o imponente túmulo de D. Pedro, e marcado na parede ao lado, uma inscrição indicando o de D. Amélia de Leuchtenberg (sem quaisquer ornamentos, passando quase despercebido aos olhos). No centro, um genuflexório voltado para um altar, e bem encima deste, o brasão de armas do império do Brasil. Do lado direito fica a tumba de Leopoldina, construída de forma idêntica ao de seu marido.

Túmulo de D. Pedro I.

Túmulo de D. Pedro I.

Os restos mortais de D. Pedro I foram transladados de Portugal para o Brasil em 1972 (seu coração, porém, ficara depositado em um relicário na igreja da Lapa, na cidade do Porto), e sepultados em frente aos de sua primeira esposa. O corpo de D. Leopoldina finalmente encontra um esplêndido repouso, digno da importância que desempenhara na política brasileira. Para que ninguém adentre no interior da capela, há uma corrente impedindo a passagem e no teto várias câmeras de segurança.  Estava, então, prestes de cometer uma loucura: queria tirar um foto junto da tumba da Imperatriz, e estava decidido a fazê-lo. Esperei que os demais visitantes se dissipassem e aproveitei o momento para passar por baixo das correntes e posar ao lado do que sobrou daquela grande mulher. Em cerca de três segundos, fui e voltei, sem ser percebido por ninguém, exceto pelas câmeras que a tudo registravam. Sabia que poderia ser preso por invasão de patrimônio público, mas naquele momento estava determinado a conseguir aquela foto, e de fato a obtive.

Renato Drummond ao lado do Túmulo de D. Leopoldina.

Renato Drummond ao lado do Túmulo de D. Leopoldina.

Na saída da Capela Imperial tudo estava tranquilo e nada de mais me aconteceu. Dei, então, continuidade à programação do dia sem qualquer deslumbramento. Ao chegar em casa, parei para refletir sobre tudo o que fizera, e foi quando a ficha caiu: estive ao lado de D. Leopoldina. Eu violara o silêncio e a frieza de sua sepultura para lhe prestar homenagens. A partir daí, me veio na cabeça todas as passagens de livros que li sobre a vida dela; suas cartas repletas de pedidos ao pai, o imperador Francisco I da Áustria, e à irmã, Maria Luisa, a quem tanto amara. Fui fisgado então por uma emoção que no momento da fotografia eu não sentira, pois aquela rica sepultura, calada e imersa na escuridão da morte, me contara em poucos segundos toda a desventura de uma vida. A verdadeira epopeia da princesa austríaca que veio para o Brasil na intenção de se submeter aos interesses de seu marido, mas que acabou prestando valiosos serviços para toda uma nação.

Referências Bibliográficas:

KANN, Bettina; LIMA, Patrícia Souza. D. Leopoldina: cartas de uma imperatriz. – São Paulo: Estação Liberdade, 2006.

OBERACKER Jr., Carlos H. A imperatriz Leopoldina, sua vida e época: ensaio de uma biografia. – Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura, 1973.

Anúncios

6 comentários sobre “Um encontro com D. Leopoldina

  1. Rapaz…

    Que texto repleto de emoção!

    Eu, como amante da história imperial e devotado servidor da Imperatriz Leopoldina, me senti imensamente feliz por perceber que existem pessoas que reconhecem a importância de uma figura tão fascinante e significativa para a nossa história como a da nossa primeira soberana.

    Invejo sua sorte! Queira Deus eu, um dia, possa também, realizar este sonho!

    Parabéns – pelo texto, pelo blog, pelo passeio, pela coragem… e pelo amor à nossa primeira Imperatriz!

    Curtir

    • Olá Leonardo!
      Muito obrigado pelo seu interesse. Também fico extremamente feliz em saber que uma figura tão importante como a nossa Imperatriz D. Leopoldina, mesmo tantos anos após sua morte, ainda mantém ativo o respeito de muitos brasileiros. Enquanto existirem pessoas assim, sua memória continuará bem viva. Em breve estarei postando mais textos sobre ela. Abraço!

      Curtir

  2. Renato,
    Visitei o Museu do Ipiranga há anos atrás, e confesso que fiquei decepcionada com o pouco que tem da Imperatriz Maria Leopoldina em contraste com os pertences da Marquesa de Santos.
    O que dizer sobre isso? Nosso país é realmente muito pobre em relação a nossa história.
    Adorei sua homenagem!!
    Abraços.

    Curtir

    • Muito obrigado, Poliana. De fato, os itens relacionados a D. Leopoldina no Museu do Ipiranga são poucos. A maioria está no Museu Histórico Nacional e no Museu Imperial de Petrópolis. Ainda espero um dia poder ir neles rs 😉 Abraço!

      Curtir

  3. Que máximoooo! Adorei o texto, me identifiquei com as palavras, o sentimento por essas pessoas, as sensações provocadas pelo passeio… Queria imitar tudo! kkkkk
    Parabéns pela página, pelo resgate e preservação de uma parte maravilhosa da nossa história! Amo Leopoldina!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s