As mortes das rainhas trágicas

Por: Renato Drummond Tapioca Neto

Neste dia de todos os santos, data seguinte à popular festa do dia das bruxas, na qual lembramos a vida dos chamados mártires, não consigo pensar em nada que não diga respeito às execuções de algumas das mais notórias soberanas decapitadas da história: Ana Bolena(1501? – 1536), Mary Stuart (1542 – 1587) e Maria Antonieta (1755 – 1793). De algum modo, é como se a sombra da lâmina ainda pairasse sobre suas personalidades, séculos após o falecimento delas. Embora cada uma das três apresentassem comportamentos próprios e descendessem de linhagens distintas, é no final da vida que a trajetória dessas senhoras se assemelham, principalmente pela fibra e determinação que demonstraram perante seus algozes e à sociedade em geral. Vitimadas por desejos pessoais e políticos, elas provaram que nunca deixaram sua coragem se abalar, e seguiram firmemente rumo ao trágico destino que lhes aguardava, demonstrando que apesar do estado degradante a que foram rebaixadas, eram rainhas, e como tal seriam imortalizadas. Sendo assim, partamos então para uma rápida análise das circunstâncias das mortes delas e dos meios utilizados para tanto.

A Execução de Ana Bolena, por Jan Luyken (cerca de 1664 - 1712)

A Execução de Ana Bolena, por Jan Luyken (cerca de 1664 – 1712)

Ana Bolena, segunda rainha consorte de Henrique VIII, por não dar à coroa o tão desejado filho homem, foi aos poucos sendo renegada pelo marido, acusada de crimes banais como traição, adultério e incesto. À época, o rei estava enamorado de uma nova dama, Jane Seymour, e para se casar com esta, necessitava se livrar da mulher indesejada. Encarcerada na torre de Londres em dois de maio de 1536, a outrora rainha de Inglaterra estava sozinha e desesperada, demonstrando variações de humor em intervalos de tempo muito curtos, ora rindo da situação, ora chorando e rezando. Julgada culpada de todas as acusações, para ela não restava mais nada nessa vida a não ser confessar-se e pedir a seu Deus que a perdoasse por todos os pecados cometidos. Talvez como gesto de boa vontade, Henrique mandou que lhe arrumassem um espadachim francês para que a morte daquela dama fosse rápida e sem dor. Em 19 de maio de 1536, ela subiu ao palanque localizado, acredita-se, em tower green, e dirigiu um discurso simbólico aos espectadores, agradecendo por tudo e pedindo para que rezassem pelo rei, que “para mim sempre foi um bom e gentil senhor”. Em seguida, se ajoelhou e proferiu suas últimas palavras: “em tuas mãos, Jesus, eu entrego a minha alma”. O local exato do assassinato até hoje recebe a visita de corvos, como espectros que sobrevoam em busca da carnificina que se acometera ali tantos anos atrás.

Mary Stuart, acredito, foi vítima de suas próprias tramoias para usurpar o trono da prima, Elizabeth, se envolvendo numa rede de intrigas da qual não mais conseguiu se livrar. Desde que veio fugida para a Inglaterra, em 1567, dos rebeldes escoceses, se viu submetida à vontade da mulher que, segundo suas convicções, lhe usurpara o trono. A verdade era que ninguém, exceto a rainha Elizabeth I, queria assumir a responsabilidade pela custódia da prima, nem mesmo sua família na França. Como fora criada sob o capricho de seus desejos, Mary fez o que pôde para tentar se livrar do cativeiro, mal sabendo que as mesmas correntes que lhe amarravam, seriam usadas para lhe arrancar a vida. Depois de encontrados documentos com sua assinatura, comprovando a participação dela em planos para matar a filha de Ana Bolena e Henrique VIII, o conselho real não teve alternativa se não impelir a soberana inglesa a expedir a ordem de execução da ex-rainha dos escoceses, feita com muita relutância. Então, em 8 de fevereiro de 1587, aos 44 anos de idade, ela fora decapitada pelo machado do carrasco no castelo de Fotheringhay.

A Execução pelo machado: Mary Stuart, no castelo de Fotheringahey , em 1587 (por autor desconhecido).

A Execução pelo machado: Mary Stuart, no castelo de Fotheringahey , em 1587 (por autor desconhecido).

Remontar a morte de Maria Antonieta é sem dúvida fazer um regresso aos horrores da Revolução Francesa. A filha da imperatriz Maria Tereza d’Áustria representava uma união não muito bem vista perante os súditos de Luís XVI. Ansiosa por atenuar a formalidade e o tédio que sentia em Versalhes, passou a consumir demasiadamente com roupas e artigos de luxo, o que lhe valeu o título de Madame Déficit. Em 1793, depois de ter sido encarcerada e separada da família, o povo ainda clamava por justiça. Eles queriam mais sangue, só que dessa vez, da realeza. Antonieta acabou servindo de bode expiatório para toda a extravagância da corte. Ela representava os resquícios de um regime que fora veemente atacado desde 14 de julho de 1789, com a queda da Bastilha. Julgada pelo Tribunal Revolucionário, a ci-devant rainha só lamentava por ter que deixar seus filhos nas mãos dos inimigos. Envelhecida precocemente pelas circunstâncias, estava com as mãos atadas e o cabelo desregulamente tosado, escondido sob um toucado, quando fora transportada por uma carroça rumo à guilhotina, em 16 de outubro de 1793.

Ao contrário das outras duas rainhas citadas anteriormente, Maria Antonieta não proferiu quaisquer palavras quando subiu no palanque em que foi executada. Tampouco dirigiu um olhar para a população concentrada na Place de La Concorde. Mary Stuart, por sua vez, fez da própria execução um teatro onde se punha explicitamente como vítima. Dos objetos utilizados para a decapitação das três soberanas, respectivamente, o machado foi provavelmente o mais doloroso deles. Enquanto a espada e a guilhotina ofereciam uma morte mais rápida e, por assim dizer, tranquila, foram necessários três golpes do carrasco para que a rainha dos escoceses definitivamente se despedisse da vida. Após o último golpe, a cabeça dela, assim como aconteceu com Ana Bolena e Antonieta, fora suspensa diante dos espectadores. Porém, ao contrário delas, a de Mary Stuart caiu das mãos do executor, que ficou segurando apenas uma peruca. Então, quando acharam que aquela triste cena finalmente tinha acabado, notou-se um movimento estranho por baixo das saias do cadáver. Parecia que Mary não queria deixar esta vida, mas, para alívio de todos, constatou-se que era apenas o cachorro de estimação da rainha que estava escondido.

A Execução pela guilhotina: Maria Antonieta (por autor desconhecido).

A Execução pela guilhotina: Maria Antonieta (por autor desconhecido).

A moda também exerceu um aspecto de expressão fundamental no ato do assassinato dessas damas. Enquanto Ana Bolena escolheu um vestido damasco preto, com saiote vermelho e manto de arminho (vestes dignas da realeza), Mary Stuart trajava uma camisola escarlate (a cor do martírio católico), para provar que morria por sua fé. Maria Antonieta não tinha à sua disposição tantas variedades de roupas, mas o simples traje branco que usou passou uma mensagem bastante direta aos republicanos, uma vez que aquela era a cor símbolo da monarquia. Anos depois, muitas histórias de fantasmas estariam vinculadas a elas. A segunda esposa de Henrique VIII, por exemplo, segundo o folclore popular, já foi vista inúmeras vezes na torre de Londres. “Em outras partes do país, no entanto, pessoas juravam ter visto lebres correndo – a lebre, o símbolo da feiticeira – e continuariam a vê-las no aniversário da execução de Ana Bolena” (FRASER, 2010, pag. 343). Dizem também que o espírito de Maria Antonieta vagueou pelos 200 anos desde que morreu. O relato mais interessante dessa aparição provém das inglesas Carlota Anne Moberly e Eleanor Jourdain, que, em 10 de agosto de 1901, se perderam no terreno de Versalhes e contam terem estado na presença de uma belíssima dama loura, de trajes antiquados, ao lado de alguns companheiros.

Mitos e historietas sobrenaturais à parte, em minha opinião as rainhas trágicas descansam em paz e repouso absoluto, tendo expurgado na morte os comportamentos maldosos de que foram acusadas em vida, em vez de vaguearem pelos cantos, como verdadeiras almas-penadas. “Em meu fim está meu começo”. Essa declaração feita por Mary Stuart serve-nos perfeitamente para ilustrar como hoje essas mulheres transcenderam em representações femininas de força e coragem para a posteridade. Ao elas, dedico a vocês, meus caros leitores, um poema cuja autoria é atribuída a Ana Bolena (que nas palavras do arcebispo Cranmer seria “rainha no céu”), provavelmente escrito enquanto estava encarcerada na torre:

“Morte, embala-me o sono

Traz-me o repouso final

Leva de mim o fantasma

Que foi causa de meu mal

Que o dobre do sino triste

Anuncie a minha morte

Que outro consolo não há…

O meu nome foi manchado

Com falsidade e rancor

O conforto terminado

Despedi-me do amor

Que o dobre do sino triste

Anuncie a minha morte

Que outro consolo não há…”

(ANA BOLENA, 1536, apud MAXWELL, 2002, pag. 262-263).

Referências Bibliográficas:

DUNN, Jane. Elizabeth e Mary: primas, rivais, rainhas. Tradução de Alda Porto. – Rio de Janeiro: Rocco, 2004.

FRASER, Antonia. As Seis Mulheres de Henrique VIII. Tradução de Luiz Carlos Do Nascimento E Silva. 2ª edição. Rio de Janeiro: BestBolso, 2010.

FRASER, Antonia. Maria Antonieta. Tradução de Maria Beatriz de Medina. 4ª edição. Rio de Janeiro: Record, 2009.

MAXWELL, Robin. Diário Secreto de Ana Bolena. Tradução de Maria do Carmo Romão. 3ª edição. Lisboa, Portugal: Planeta, 2002.

Anúncios

2 comentários sobre “As mortes das rainhas trágicas

  1. Ola
    Muito interessante o seu documentário sobre estas rainhas mártir , no entanto quanto a grande rainha mártir Maria Antonieta , quando fala sobre o seu espirito andou no mundo até O passado 27 Dezembro de 2012 pois a sua missão estava inacabada na terra, pois o suposto herdeiro ao trono Luis. Carlos não morreu como reza. Lenda, existem descendentes dai o espirito da rainha andar até então para deixar o seu legado, pois após a sua confidencia pude ajuda lá a elevar se a níveis superiores. Pois durante 210 anos andou o seu espirito andou a vaguear pelo mundo para passar tal informação aos seus….

    Curtir

  2. Olá António!
    Muito obrigado pelo seu comentário.
    Acerca do Delfin Luís Carlos, segundo Antonia Fraser, testes de DNA feitos com o coração do principezinho, que está depositado em uma urna, comprovaram que ele realmente morreu. Todavia, quando da restauração dos Bourbon, a então única filha sobrevivente do casal de monarcas, Maria Tereza, viveu atormentada por inúmeros rapazes alegando serem Luís XVII. Mais um vez a ciência ofereceu uma mão preciosa à história e desmitificou mais esse rumor!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s