Memorial dedicado à rainha Vitória em Leeds é pichado com as palavras “racista” e “assassina”!

“Racista, assassina e proprietária de escravos”, foram essas algumas das palavras pichadas no monumento dedicado à rainha Vitória no Hyde Park de Leeds, A escultura em bronze, situada na praça de Woodhouse Moor, amanheceu assim no dia 9 desse mês. O rosto da soberana aparece completamente desfigurado por tinta rosa, enquanto na base da estátua é possível ler a frase “vidas negras importam”. Embora considerada uma das maiores monarcas da história da Grã-Bretanha, o reinado de Vitória coincidiu também com o imperialismo inglês na Ásia e na África, quando milhões de vidas foram sacrificadas em detrimento das políticas expansionistas dos Primeiros Ministros Disraeli e Gladstone. Por ser a figura de proa que decorava a embarcação do Estado, a nova onda de protestos contra o preconceito racial associou a imagem da rainha ao extermínio de populações negras e de sua cultura, no que foi chamado na época de “o fardo do homem branco”.

The Queen Victoria statue on Woodhouse Moor has been defaced.

Todavia, a conduta pessoal da rainha Vitória para com pessoas oriundas de outros continentes era bastante ambígua. Ela foi a primeira monarca a conceder um título de Lorde a um judeu, quando membros da comunidade judaica eram hostilizados em países como França, Rússia e Prússia. Durante a crise de fome na Irlanda, ela doou parte de seu próprio salário para ajudar as famílias carentes e, nos últimos anos de sua vida, desenvolveu uma forte relação de amizade com seu criado indiano Abdul, que foi promovido ao cargo de professor de hindustani. Vitória ficava furiosa quando ele era desrespeitado por membros da sua corte. Mas, depois que a estátua de Edward Colston, um proprietário de escravos do século XVII, foi arrancada de seu pedestal em Bristol por manifestantes, muitos outros monumentos passaram a ser alvo de protestos contra a desigualdade étnica. A rainha foi, portanto, mais um dos totens do colonialismo inglês a ser alvejado em praça pública.

Esculpido em 1905 por George Frampton durante o reinando de Eduardo VII, filho de Vitória, o monumento costumava ficar localizado fora da Prefeitura de Leeds. Em 1937, ele foi movido para Woodhouse Moor. Sua estrutura é esculpida em pedra de Portland, ladeada por relevos de bronze que representam a “paz” e a “indústria”. No centro, uma estátua entronizada da soberana. Durante o ministério de Benjamim Disraeli, Vitória deu apoio a muitas das políticas imperialistas do governo e em 2 de janeiro de 1877, aceitou o título de imperatriz da Índia. No último quartel de seu reinado, ela acabou se tornando um símbolo do neocolonialismo inglês. O conselho da cidade, por sua vez, revelou ser favorável à liberdade de expressão, mas acrescentou que o grafite será removido. Nos últimos dias, várias campanhas foram criadas para remover estátuas de figuras históricas ligadas à escravidão, como Cecil Rhodes e Sir Thomas Picton.

"Black Lives Matter" was sprayed on the base of the memorial.

"BLM" is the acronym for Black Lives Matter.

Por outro lado, a questão parece mais complicada se analisada do ponto de vista histórico. Segundo Tracey Wallis, moradora de Leeds, “Vitória foi uma de nossas maiores monarcas. Se você quiser derrubar estátuas ou edifícios associados ao comércio de escravos, você terá que destruir quase todos os edifícios históricos deste país”. Para ela, “não podemos negar isso ou dizer que acabou, mas podemos mudar a partir de hoje”. Já Peter Hobson, outro morador da cidade, escreveu: “Por que as pessoas não conseguem perceber que essas estátuas são criações de seu tempo? Seriam elas retiradas da história? Se sim, como podemos aprender a ser mais tolerantes no futuro?”. Na sua opinião, “Só porque reconhecemos que essas pessoas ajudaram a criar o mundo em que vivemos hoje não significa que concordamos com os métodos que eles usaram para fazer isso. A família Lascelles foi enriquecida pela escravidão, o que significa que devemos demolir a sua casa de Harewood?”.

Outras pessoas da cidade, entretanto, defenderam a modificação dessas estátuas, com a adição de explicações que forneçam o contexto histórico adequado para cada peça, ou mesmo que elas sejam levadas para museus, em vez de destruídas para sempre. Na opinião de Susie B Lee: “Sim, agora é hora de mudar o futuro, mas essas estátuas devem ser colocadas em um museu onde o passado possa ser aprendido e não erradicado”. Já Kane Daly resumiu seus pensamentos dizendo que “ninguém está sugerindo que apaguemos a história, mas não acho que seja pedir demais que não mostremos as piores partes dela literalmente sobre pedestal”. Embora Vitória tenha chegado ao poder quatro anos depois da abolição da escravidão nas colônias inglesas, houve uma expansão significativa do Império durante seu reinado, que terminou em 1901. Os manifestantes acreditam que essa estátua representa uma celebração deste passado colonial.

Fontes:

BBC NEWS – Acesso em 16 de junho de 2020.

Telegraph & Argus – Acesso em 16 de junho de 2020.

LeedsLive – Acesso em 16 de junho de 2020.

Yorkshire Evening Post – Acesso em 16 de junho de 2020.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s