Artista desenvolve versões criativas de como as rainhas do passado se pareceriam nos tempos de hoje!

Por: Renato Drummond Tapioca Neto

A história é repleta de personagens fascinantes, que ainda hoje fazem ferver o imaginário popular. Reis e rainhas, príncipes e princesas, cavaleiros e donzelas aprisionas não existem apenas nos contos de fada. Mas, vistos assim nas páginas dos livros, tem-se a impressão de que foram petrificados pelo tempo e expostos em alguma vitrine para o olhar contemplativo do leitor. No entanto, aquelas pessoas compartilharam o mesmo mundo que o nosso, embora numa época e espaços diferentes. Assim como muitos de nós, esses personagens se apaixonaram, sentiram raivas e frustrações, lutaram por seus ideias e tiveram uma vida extraordinária, que mais tarde foi apropriada pela literatura e pela ficção. Por outro lado, como seria imagina-los vivendo nos dias de hoje, adaptados aos modos e costumes de um período bastante diferente daquele em que existiram? Foi pensando nisso que a designer Becca Saladin, da página no Instagram Royalty Now, fundada em 2019, resolveu usar seu toque de condão e dar uma nova roupagem, mais glamorosa, para retratos e escultaras de algumas das figuras mais populares da história. Selecionamos nesse post as versões de Saladin para as soberanas icônicas que servem de inspiração para o nosso blog.

Nefertiti (1370 a.C.)

Nefertiti

Releitura do busto de Nefertiti, esculpido por Tutemés em 1345 a.C.

O busto de 3400 anos da famosa rainha do Egito, esposa do faraó Aquenáton, ganhou uma versão super moderna, com direito ao preenchimento do olho esquerdo que, segundo a lenda, teria sido deixado propositalmente incompleto pelo escultor, para que a beleza da rainha não causasse inveja às deusas. Muitas são as características que chamam a nossa atenção ao contemplar a imagem esculpida da rainha, como a grande coroa, o pescoço longo e delgado, sustentando um cabeça com traços faciais muito agradáveis de se ver.

Cleópatra VII (69 a.C. – 30 a.C.)

81451114_101034448101307_3356378918827934339_n

Releitura do busto de Cleópatra VII

Uma das rainhas mais famosas da antiguidade, Cleópatra VII, ou simplesmente Cleópatra, ganhou notoriedade por seu envolvimento com dois dos homens mais poderosos de seu tempo, Júlio César e Marco Antônio. Além de ter sido a última governante do Egito, ela também foi uma mulher inteligentíssima, sendo fluente em vários idiomas. Para a versão de Cleópatra, Saladin usou como referência um suposto busto da soberana, adicionando ao seu modelo um tom de pele cor de oliva, a despeito das teorias de que Cleópatra tenha sido uma mulher de pele negra.

Agripina Menor (15 d.C. – 59 d.C.)

Agrippina-The-Younger

Releitura da cabeça esculpida de Agripina Menor

Uma das mulheres mais poderosas de Roma, e também uma das mais controversas, a imperatriz Júlia Agripina Menor, mãe do imperador Nero, também ganhou uma versão contemporânea, feita a partir da cabeça esculpida da soberana.

Isabel I de Castela (1451 – 1504)

fotonoticia_20200129132848_1024

Releitura de Isabel de Castela, baseada em detalhe da tela atribuída a Gerard David (c. 1520).

A primeira grande soberana da idade moderna, Isabel de Castela foi também a precursora do que alguns estudiosos consideram como monarquia de gênero, uma vez que em seu governo ela desafiou uma série de tabus referentes à participação da mulher na política. O sucesso do reinado de Isabel contribuiu assim para diminuir o receio que muitos reinos tinham de passar a coroa para as mãos de uma princesa, supostamente sujeita às vontades do marido. A despeito das muitas teorias que consideravam a mulher e a política como duas esferas incompatíveis, o século XVI foi quase todo dominado pelo governo feminino, seja na Inglaterra, com Maria I e Elizabeth I; na Escócia, com Mary I Stuart; na França, com Catarina de Médici; ou até mesmo nos Países Baixos, com a arquiduquesa Margarida de Habsburgo.

Ana Bolena (1501? – 1536)

Anne-Boleyn

Releitura de Ana Bolena, baseada em retrato pintado por artista desconhecido (final do século XVI).

Segundo Becca Saladin, Ana Bolena foi sua primeira inspiração para começar a repaginar retratos e esculturas de algumas das maiores personalidades do passado. Em entrevista ou My Modern Met, ela disse que:

Coloquei nela uma roupa moderna, pintei os cílios, sobrancelhas e fiz a maquiagem. Fiquei empolgada com o que vi. Ela se tornou muito mais identificável comigo depois dessa criação. Depois disso, comecei a fazer mais das minhas figuras favoritas e comecei o Instagram como uma maneira de compartilhar meu trabalho com outros amantes da história.

A segunda esposa de Henrique VIII da Inglaterra é uma das figuras históricas favoritas da artista, já tendo ganhado mais de uma versão idealizada por ela. A designer conta que a elaboração de cada uma de suas artes requer muito tempo e pesquisa, pois nem todos os detalhes necessários estão disponíveis nos livros de história, como, por exemplo, no caso de Cleópatra. Para tanto, ela dá asas à sua imaginação e apresenta para nós a sua leitura de como tais soberanas se pareceriam, caso vivessem nos dias de hoje.

As Seis Esposas de Henrique VIII

“Divorciada, decapitada, morreu… Divorciada, decapitada, sobreviveu”. É com esse versinho que a cultura popular se recordar da ordem de sucessão das esposas de Henrique VIII: Catarina de Aragão, Ana Bolena, Jane Seymour, Ana de Cleves, Catarina Howard e Catarina Parr, respectivamente. O trabalho de Becca Saladin foi elaborado tendo como base os mais famosos retratos destas rainhas. O resultado final ficou tão bacana, que faz lembrar das grandes atrizes que já desfilaram pelo tapete vermelho do Oscar.

personagens-historicos-hoje-12-838x470

Releitura do retrato de Catarina de Aragão, pintado por Michel Sittow (c. 1504)

73539181_3768045513221125_364197142048276480_n

Releitura do retrato de Ana Bolena, pintado por artista desconhecido (final do século XVI).

73475019_3768046056554404_1020242186647633920_n

Releitura do retrato de Jane Seymour, pintado por Hans Holbein, o Jovem (1538).

72576975_3768046156554394_868965806325628928_n

Releitura do retrato de Ana de Cleves, pintado por Hans Holbein, o Jovem (1539).

74701590_3768046259887717_4943081653422522368_n

Releitura do retrato de uma jovem, que se acredita tratar-se de Catarina Howard, do ateliê de Hans Holbein, o Jovem (c. 1540).

73163061_3768046346554375_3349265696998555648_n

Relteitura do retrato de Catarina Parr, pintado por artista desconhecido (séc. XVI).

Maria I da Inglaterra (1516 – 1558)

24000314-7940035-image-a-54_1580249072120

Releitura do retrato da rainha Maria I da Inglaterra, pintado por Antonis Mor (1554).

Primeira rainha reinante da Inglaterra e rainha consorte da Espanha, Maria I Tudor era filha de Henrique VIII e Catarina de Aragão. Com o rompimento entre Igreja da Inglaterra e o papado no ano de 1534, ela perdeu seu status de princesa, sendo readmitida na linha de sucessão apenas dez anos depois. Após a morte de seu meio-irmão, Eduardo VI, ela ascendeu ao trono inglês, governando o país numa de suas fases mais instáveis, provocada pelo processo de reforma religiosa iniciada por seu pai. Reinou por cinco anos, deixando a coroa para sua meia-irmã, Elizabeth I. Na versão de Saladin para Maria I, destaca-se os cabelos acobreados da soberana, sua expressão austera e queixo firme.

Elizabeth I (1533-1603)

Queen-Elizabeth-I

Releitura do famoso The Rainbow Portrait, retratando a rainha Elizabeth I da Inglaterra, atribuído a Isaac Oliver (1600-1602).

A filha de Henrique VIII com Ana Bolena foi a última monarca de sua dinastia. Tendo governando a Inglaterra por um período de aproximadamente 45 anos, durante o seu reinando a literatura e a arte nacional ganharam um grande impulso, produzindo nomes como o de William Shakespeare. No plano político, Elizabeth concentrou os poderes da coroa e procurou estabilizar as disputas religiosas que perturbaram os reinados de seus irmãos. Ao morrer, em 1603, foi sucedida por James VI da Escócia, o filho de Mary Stuart. Na sua versão para Elizabeth I, Becca deu destaque ao tom de pele alvo, aos olhos de pálpebras pesadas e aos cabelos acobreados da soberana, que eram sua marca registrada em retratos oficiais.

Mary Stuart (1542 – 1587)

Mary-Queen-of-Scots

Releitura do retrato de Mary Stuart, segundo obra de François Clouet (c. 1560).

A trágica soberana da Escócia, decapitada a mando de sua prima Elizabeth I, após ter sido julgada e condenada por crime de traição, ganhou uma versão bem romântica e suave pelas mãos de Becca Saladin. No seu tempo de vida, Mary Stuart foi considera uma das princesas mais bonitas da Europa, embora muitas de suas características faciais talvez não fossem valorizadas pelos critérios de beleza modernos. A designer então adaptou o rosto de Mary para os padrões estéticos contemporâneos, dando-lhe uma expressão de serenidade.

Maria Antonieta (1755 – 1793)

81021955_165482961347745_2883311651807675673_n

Releitura do retrato de Maria Antonieta, pintado por artista desconhecido.

Uma das mulheres mais controversas da história, Maria Antonieta até hoje rende assunto para debates acadêmicos gerados em torno de sua figura, ora pelas suas inovações no mundo da moda, ora pelo papel que desempenhou na Revolução Francesa, ou mesmo pelo seu trágico desfecho. A última rainha da França já serviu de inspiração para muitos outros artistas, estilistas e decoradores, que constantemente reinventam seu modo de vida, transformando-a numa personagem com um profundo apelo contemporâneo. Na versão de Saladin, Antonieta aparece com uma basta cabeleira loira e ondulada, que serve de moldura para um rosto que fita o observador com seus claros e curiosos.

Rainha Vitória (1819-1901)

royalty-now-digital-manipulation-1

Releitura do retrato da rainha Vitória I do Reino Unido, pintado por Franz Xaver Winterhalter (1859).

Símbolo de uma Era, Vitória I do Reino Unido foi a figura de proa de um dos momentos mais conflituosos da história mundial, marcado pela Segunda Revolução Industrial e pelo imperialismo britânico na Ásia e na África. Na maioria das suas fotografias, ou em retratos pintados, a rainha quase sempre aparece com uma expressão austera e gestos imponentes. Tudo meticulosamente pensado para representar a grandeza do império britânico, associada à imagem da monarca. Contudo, na versão de Becca Saladin, uma Vitória mais jovem e cândida chama a atenção do observador, principalmente pelo contrate que oferece com a figura enlutada que geralmente aparece nos livros.

Elisabete da Baviera (1837-1898)

24000272-7940035-image-a-42_1580246909222

Releitura do retrato da Imperatriz Sissi, pintado por Georg Martin Ignaz Raab (1867).

Para fechar essa matéria, escolhemos a belíssima versão que Saladin fez da imperatriz da Áustria, Elisabete, mais conhecida pelo carinhoso apelido de Sissi. Apesar dos inúmeros retratos da soberana, pintados pelo taleto inigualável de Franz Xaver Winterhalter, a esposa do imperador Francisco José I da Áustria era uma mulher muito tímida e teve uma vida bastante complicada, embora ocupasse uma posição social elevada. Muito admirada por sua beleza, Sissi também era uma mulher depressiva, que desenvolveu bulimia e, por fim, foi assassinada por um anarquista italiano em 10 de setembro de 1898.

Fontes:

Awesome Inventions – Acesso em 12 de fevereiro de 2020

Marie Claire – Acesso em 12 de fevereiro de 2020.

Royalty Now – Acesso em 12 de fevereiro de 2020

 

2 comentários sobre “Artista desenvolve versões criativas de como as rainhas do passado se pareceriam nos tempos de hoje!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s