Como arruinar uma rainha: a propaganda pornográfica usada contra Maria Antonieta

Por: Renato Drummond Tapioca Neto

Maria Antonieta de Habsburgo-Lorena continua sendo alvo de muita fofoca entre os círculos de amantes da história. O motivo para tanto falatório é mais do que óbvio: nenhuma outra rainha do passado teve seu nome ligado a mais escândalos do que a esposa de Luís XVI. Num esforço ainda maior de denegrir a imagem da soberana, muitos a condenam como a maior responsável pelas misérias da França, atribuindo à mesma frases como “se não tem pão, que comam brioches”, ou coisas do tipo. Sua vida sexual, inclusive, constitui-se no tema preferido dos detratores. Até hoje são comuns os rumores dos casos extra-conjugais de Antonieta com o conde sueco Axel de Fersen, assim como com outros nobres da corte. Não satisfeita, a imprensa pornográfica do final do século XVIII fez questão de retratar a rainha da França como a protagonista de uma série de orgias no palácio de Versalhes, onde ela não apenas dormia com cavalariços, como também com suas amigas: a duquesa de Polignac e a princesa de Lamballe. As fotos que se seguem abaixo são digitalizações dos panfletos pornográficos que circulavam em Paris e na Europa durante o período pré-revolucionário.

Panfleto pornográfico retratando a rainha da França, Maria Antonieta, em um romance lésbico com a sua amiga, a duquesa de Polignac.

Panfleto pornográfico retratando a rainha da França, Maria Antonieta, em um romance lésbico com a sua amiga, a duquesa de Polignac.

As 30 anos de idade, Maria Antonieta foi abandonando aos poucos suas frivolidades da juventude. A maternidade teve um peso significativo nessa mudança. Ela não mais se vestia com roupas extravagantes e abandonara o uso dos poufs, penteados que podiam chegar a mais de 1 metro de altura e quem podem ser contemplados em alguns dos retratos da nobreza da época. Entretanto, no ano de 1785, a imagem da soberana caiu ainda mais no desprestígio popular, quando um caso envolvendo o cardeal de Rohan e a compra de um colar de diamantes veio a conhecimento público. Apesar de ser claramente inocente, o povo estava mais interessando em usar a estória para vilipendiar o nome da soberana, afirmando que ela era amante do cardeal e que estava de fato envolvida na compra da joia. A partir de então, vários panfletos começaram a correr pelas ruas de Paris com títulos como “A vida escandalosa de Maria Antonieta”, que relatavam seus supostos casos extra-conjugais com homens e mulheres, incluindo a condessa de La Motte, arquiteta da intriga do colar que anos mais tarde publicou em Londres uma biografia onde afirmava que Antonieta era sua amante a submetia a atos sexuais forçados.

Panfleto retrato a rainha num caso extra-conjugal com o cunhado, conde d'Artois.

Panfleto retrato a rainha num caso extra-conjugal com o cunhado, conde d’Artois.

Como consequência dos reinados de Luís XIV e Luís XV, a corte de França de tornou famosa como um lugar de promiscuidade sexual. Diferentemente de seus antecessores, Luís XVI passava a maior parte do tempo na sua oficina ou na biblioteca e esquecia do mundo ao seu redor. Coube então à sua esposa representar a coroa nas muitas celebrações organizadas no palácio de Versalhes. A rainha logo se cercou de pessoas jovens e dispensou os cortesãos mais velhos, oriundos das famílias mais antigas da França. Profundamente ressentidos, esse nobres passaram a nutrir um profundo rancor contra a filha de Maria Teresa (a Grande) e começaram a espalhar rumores sobre a vida sexual da soberana com seus favorecidos. A princípio, Maria Antonieta pouca atenção deu a essas fofocas e continuou promovendo bailes e festas, acompanhada dos seus novos amigos. Mal sabia ela que aquelas intrigas fomentadas dentro de sua própria casa seriam a gênese da ruína da sua reputação. Indiferente a tudo e a todos, a esposa de Luís XVI sofreu um grande golpe quando o caso do colar de diamantes veio a público e o cardeal de Rohan foi inocentado.

Panfleto que retrata Maria Antonieta rejeitado o marido, Luís XVI.

Panfleto que retrata Maria Antonieta rejeitado o marido, Luís XVI.

Naquele período, Maria Antonieta queria que sua imagem se identificasse com a de “Mãe da França”. Inspirada em retratos da sagrada família, Mme. Vigée Le Brun, retratista da rainha, pintou um quadro de Antonieta rodeada por seus filhos. Enquanto o retrato era finalizado, um espaço para ele foi deixado vago na Galeria Nacional. Antes que a tela fosse exposta, cartazes e panfletos foram afixados no espaço vazio, contendo rótulos como “Madame Déficit”, ou frases como “Eis a cara da fome”. A partir daí, Maria Antonieta se tornou a representação daquele universo decadente e um alvo de calúnias. É nesse contexto que começa a massiva reprodução de imagens pornográficas, onde a rainha protagonizava cenas de orgias sexuais com muitas outras pessoas. Como um ataque à rainha também constituía numa afronta ao rei, Luís XVI tomou medidas sérias para impedir a impressão desses panfletos em solo francês. Sua atitude, entretanto, só fez enfurecer ainda mais os autores desse tipo de publicação, que passaram a imprimir os panfletos na Inglaterra. De lá, eles correram as cortes europeias. A propaganda maliciosa da época havia então atingido o seu propósito: arruinar a imagem de Maria Antonieta perante toda a Europa.

Panfleto ponográfico no qual Maria Antonieta protagoniza uma orgia no Palácio de Versalhes.

Panfleto ponográfico no qual Maria Antonieta protagoniza uma orgia no Palácio de Versalhes.

Logo após a restauração da monarquia na França, em 1815, o rei Luís XVIII fez o possível para associar a imagem de Luís XVI e Maria Antonieta com a de mártires cristãos. Durante grande parte do século XIX, observou-se um verdadeiro culto à memória da “rainha mártir”, até que as cartas da rainha dirigidas aos conde sueco Axel de Fersen foram descobertas, comprovando assim uma ligação íntima entre os dois. Desde então, o interesse na vida privada de Antonieta ganhou novamente força, através dos muitos romances e biografias publicadas na primeira metade do século XX. Atualmente, a última rainha da França continua a exercer fascínio entre o círculo de amantes da história, seja favorável ou não. Muito antes de personalidades como Madonna e Michael Jackson, Maria Antonieta de Habsbugo-Lorena sentiu na pele o impacto do poder da propaganda maliciosa e até hoje sofre com isso. Nenhuma outra personagem histórica consegue reunir em torno de si tantos defensores e detratores, exceto, talvez, Ana Bolena. Mas essa já é uma outra estória…

Para ver as imagens sem censura, CLIQUE AQUI!

Atualização de 02 de maio de 2017

Vídeo da historiadora Luanna Jales, para o canal Leitura ObrigaHistória, sobre a sexualização de Maria Antonieta na caricatura francesa do seculo XVIII:

Referências Bibliográficas:

FRASER, Antonia. Maria Antonieta. Tradução de Maria Beatriz de Medina. 4ª edição. Rio de Janeiro: Record, 2009.

HASLIP, Joan. Maria Antonieta. Tradução de Eduardo Francisco Alves. – Rio de janeiro: Zahar, 1989.

LEVER, Evelyne. Maria Antonieta: A última rainha da França. Tradução de S. Duarte. – Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.

7 comentários sobre “Como arruinar uma rainha: a propaganda pornográfica usada contra Maria Antonieta

  1. Esse artigo evidencia que a Revolução Francesa não foi apenas uma revolução que ocorreu a partir da leitura dos “grandes” clássicos, mas sofreu grande participação da imprensa pornográfica.

    Curtir

  2. Isso tudo foi produto da inveja de pessoas medíocres, que não conseguiam conceber a grandeza de Maria Antonieta. Ela foi uma das maiores personalidades femininas da História.

    Curtir

    • O que?, O povo Francês odiava Maria Antonieta, além de não ser Francesa, promovia gastos exorbitantes em uma vida regada e exacerbada de luxo em quanto o povo Francês passava fome, seus gastos foram tão grandes, que contribuíram em grande medida para tornar a França o país com a maior dívida externa de toda a Europa no período revolucionário, foi devido a sua figura tão odiada que tivemos a chamada Revolta do Pão dos camponeses, ser uma figura feminina não lhe dá credibilidade alguma.

      Curtir

    • Amigo, os gastos de Maria Antonieta na juventude não chegavam a 1/6 das despesas anuais da França. Além disso, seus gastos eram aprovados pelo marido, que com isso esperava desviar a atenção da esposa de assuntos políticos. Isso nos primeiros 6 anos de reinado de Luís XVI, porque na década de 1780, depois da maternidade, Maria Antonieta adotou um estilo de vida mais sóbrio e menos dispendioso, embora a fama de gastadeira tenha ficado gravada no imaginário francês, a ponto de surgir a famosa frase do brioche, que ela não disse. É preciso separar fato de falácia.

      Curtir

  3. A França queria alguém para odiar e nada melhor do que a austríaca que por vezes desagradou o povo. Assim a Rainha foi vítima de muitos boatos. Verdades ou não, ela sempre foi alvo de muito ódio por ser uma figura importante, por tomar diversas decisões que desagradavam aos nobres e por dar várias brechas para que tais calúnias surgissem.

    Curtir

  4. Esse comentário é para a moça do vídeo: as figuras mais odiadas do Brasil hoje são Lula e Dilma. Tu estás construindo teu TCC sobre premissas falsas, filha.

    Curtir

Deixe uma resposta para Nara Rosangela Rodrigues Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s